Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Destaque Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

 

 

Economia Solidária

Jenniffer Simpson dos Santos
Publicado em 2019-04-01

O conceito Economia Solidária surgiu no Brasil no início da década de noventa do século passado, para designar uma alternativa material contrária aos modos de produção, de distribuição e de consumo impostos pelo capitalismo. A economia solidária compreende uma diversidade de práticas socioeconômicas auto-organizadas em favor da emancipação de seus membros, baseada em valores de cooperação e de solidariedade a partir de mecanismos da democracia participativa, da autogestão e da autonomia.

 

Embora a origem do conceito seja recente e localizada, as suas vastas expressões não as são. Uma série de outras economias mais justas e solidárias se concretizam em vários continentes e evocam experiências anteriores ao atual modo de produção hegemônico. Para referir apenas algumas dessas experiências que sublinham os caminhos de uma economia autogestionária na luta contra o empobrecimento: as iniciativas populares solidárias, as entreajudas comunitárias, as cantinas populares, as redes e clubes de troca, as cooperativas de produção e comercialização, os coletivos de geração de renda, os sistemas de comércio justo, as finanças solidárias e as associações de mulheres.

 

Tais expressões, com notável participação no Fórum Social Mundial, enunciam e afirmam a urgência de pensar no potencial de outras lógicas de produção e de organização da vida que valorizam a relação com o coletivo e com a natureza. Importa valorizar ainda a capacidade de decidir e de fazer juntas/os, limitando a ordem de acumulação de capital.

 

Uma outra economia acontece quando o sentido coletivo importa mais que o fim individual. Esse acontecimento concretiza-se em processos econômicos de reciprocidade e redistribuição através da autogestão solidária do bem comum. O exercício da solidariedade na economia funda-se na igualdade, reforçando o poder de ação coletiva dos/as trabalhadores/as. Na perspectiva das “epistemologias do Sul”, a prática da economia solidária consiste na possibilidade de aprendizagem dialógica com uma plural tradição de luta e de organização de modos produtivos de vida que foram subalternizados, mas que insistem em contrariar a lógica de exploração capitalista, de opressão colonial e dominação patriarcal.

 

Neste sentido, falar de economia solidária é falar de resistência. Resistência à larga escala, resistência ao modo de produção hegemônico, resistência ao imediatismo do consumo, resistência ao utilitarismo. Em suma, falar de economia solidária é falar dos desafios de uma alternativa econômica que não busca apenas garantir os meios de subsistência, mas que produz modos de vida comprometidos com a outridade em seus vários tempos.

 


Referências e sugestões adicionais de leitura:

Laville, Jean-Lois; França Filho, Genauto Carvalho (2004), Economia solidária: uma abordagem internacional. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Santos, Boaventura de Sousa (org.) (2002), Produzir para viver: os caminhos da produção não caminhos da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Singer, Paul; Souza, André Ricardo (orgs.) (2000), A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto

 


Jenniffer Simpson dos Santos é Professora da Universidade do Contestado. Doutorada em Sociologia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Contacto: simpson.jenniffer@gmail.com

 

 

Como citar

Santos, Jenniffer Simpson dos (2019), "Economia Solidária", Dicionário Alice. Consultado a 27.01.20, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=1&entry=24273. ISBN: 978-989-8847-08-9