Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

 

 

Emoções

Susana de Noronha
Publicado em 2019-04-01

“Eu não estou a interpretar nada, eu estou a sentir!” A frase, ouvida em trabalho de campo para a escrita da ciência, foi dita em jeito de resposta, rápida e firme, carregada com a infalibilidade dos sentidos e do sentir. Nesta afirmação não se encontra qualquer tentativa de contrapor a experiência vivida do corpo com as suas explanações ou análises conceptuais. Nesta frase está presente um argumento que nos leva a repensar e reavaliar o “sentir” enquanto saber. Quem sente sabe e não depende de qualquer racionalidade externa à corporeidade para conhecer e descrever o mundo. Quem sente sabe e no dizer do sentir não existem incertezas, hipóteses paralelas ou argumentos contraditórios. O “sentir” não se apresenta como interpretação mas como facto vivido na certeza da carne e da vida, para lá de qualquer outra explicação. A frase desmonta qualquer separação entre sentir e pensar, entre corpo e mente, entre ideia e gesto. Tudo vem da soma que somos, misturando passado, experiências presentes e expectativas futuras.

 

O que são as emoções? De que são feitas e como se desfazem? Para que servem e que sentidos lhes damos? As emoções não se contam pelos dedos da mão, são muitas e todas contam para vivermos o mundo, com o corpo todo, entre o nosso e o dos outros, feitas de tudo. Saídos do útero, da barriga e matriz que nos faz, a nossa primeira experiência é sentir, das mãos que nos puxam e pegam, à mama que entra e nos alimenta. Antes de qualquer palavra ou pensamento, as sensações são tudo o que somos e temos. As emoções ganham forma e conteúdo a par com as experiências e conhecimentos que nos alargam. São feitas na relação com gente, lugares e objetos, com bichos, flores e árvores altas, chão e céu, terra e mar, luz e escuridão, dentro de portas ou em viagem, em casa e na rua, na estrada, no meio do nada, na paz e na guerra, com abundância e riqueza, ou sem nada, na pobreza. As emoções saem de imagens, sons, odores, sabores e texturas, marcadas pelo tempo que faz e pelo tempo que passa, pela idade que temos, pelas doenças que nos dobram, pelas resistências que nos levantam, até que a morte nos desfaça, ainda inteiros nas emoções de quem fica.

 

As emoções são feitas na ligação com o outro, família, companheiras/os, amigos, comunidade e sociedade, com espíritos de antepassados, santos, anjos, deuses, demónios e outras divindades, metidas na multidão. São feitas de religião, crença, cosmologia e ontologia, da forma como pensamos e fazemos o mundo, em cada contexto histórico, da cultura à política, da memória coletiva ao futuro imaginado, saídas da sociedade. As emoções vêem-se nas gelhas do rosto e nos gestos do corpo, nas palavras que trocamos, em grito ou sorriso, na forma como tocamos, nos abraços de cuidado e afeto, na violência do punho e do pé que fere o outro. As emoções vêem-se, ouvem-se e podem ser tocadas na arte que fazemos, na literatura, na música, na dança, na escultura, no teatro e na pintura, sentidas de novo por quem a procura, por quem lhe dá uso. Da imaginação criativa à vontade destrutiva, as emoções são manipuladas e usadas para criar barreiras, muros, fronteiras e paredes de centros de detenção, entre outros campos de concentração. Densificadas por teorias, ideologias e doutrinas, pelos “ismos” mais discriminatórios e opressivos, as emoções de uns são instrumento de censura sobre as emoções dos outros, afastando e silenciando corpos, identidades e vontades, dividindo tudo e todos num círculo fechado de ódio e medo. Enquanto os interesses de poucos e o desinteresse pelo sofrimento dos outros forem a razão que governa o Mundo, continuaremos partidos e todos os índices e relatórios de felicidade serão números fingidos.

 

Regressando a uma gravura da artista brasileira Wilma Martins, O Retorno, (Lamoni, 2018; Martins, 1968), criada em plena ditadura, todos e todas, gente de todas as cores e feitios, são feitos do mesmo, vindos da mesma matriz. Voltar a essa “abertura”, ao útero comum, implica o uso das nossas emoções mais largas, as afinidades, os afetos, a empatia e o amor, das artes às ciências, da religião à política, da escola ao trabalho, do berço ao caixão. As emoções, produtos e produtoras daquilo que entendemos como incorporado, cognitivo, criativo, performativo e social, são as realidades que podem informar e revolucionar a nossa razão, aceitar a “terceira metade” (Noronha, 2015) onde ninguém e nada é separável, onde tudo e todas/os se completam mutuamente, uma “esfera” onde cabem todas as experiências e conhecimentos, um círculo perfeito e aberto a todos os humanos, seres e coisas, feito do nosso melhor, cheio de laços e Nós.

 


Referências e sugestões adicionais de leitura:

Lamoni, Giulia (2018), “As Artistas Brasileiras e a Gravura: cultura popular e política nos anos 60 e 70”, comunicação apresentada no Ciclo de Seminários “WomanArt #2” do GAPS, CEHUM, Universidade do Minho, 26 de Outubro.

Martins, Wilma (1968), O Retorno [Xilogravura], [consultado em: 28/10/2018].

Noronha, Susana de (2015), Objetos Feitos de Cancro: mulheres, cultura material e doença nas estórias da arte. Coimbra: Almedina, pp. 45-49.

 


Susana de Noronha é antropóloga, doutorada em sociologia e investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Enquanto fazedora de textos e ciência, é também letrista publicada e criadora de ilustração científica em fotografia, pintura e desenho etnográfico criativo. URL: www.susananoronha.com

 

 

Como citar

Noronha, Susana de (2019), "Emoções", Dicionário Alice. Consultado a 17.10.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=1&entry=24276. ISBN: 978-989-8847-08-9