Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

 

 

Esquerdas

Miguel Cardina
Publicado em 2019-04-01

Tomando de empréstimo uma frase geralmente atribuída ao filósofo norte-americano Fredric Jameson – “hoje é mais difícil imaginar o fim do capitalismo do que o fim do mundo” – poderíamos equacionar o que seria atualmente o duplo desígnio das esquerdas. Por um lado, a tarefa de manter e aprofundar os mecanismos de crítica e de intervenção política que se oponham ao capitalismo e aos diferentes cortejos de desigualdade, opressão e dominação que a partir dele se configuram. Por outro lado, a consciência de que a continuidade dos seres humanos no mundo – e do planeta Terra como habitação humana – convoca e exige uma nova relação com a natureza baseada numa ética do cuidado e na defesa dos bens comuns. A partir dos seus lastros históricos e das lutas concretas desencadeadas, às esquerdas está hoje acometido o amplo desafio de ir sabendo articular estes dois desígnios gerais.

 

O alinhamento dos programas político-filosóficos de acordo com os classificativos de “esquerda” e “direita” remonta ao período da revolução francesa. Ao longo do século XIX e XX, a história da esquerda foi feita de debates e roturas intensas, dando assim origem a distintas linhagens políticas. Comunismo, anarquismo e social-democracia vieram a constituir-se como os seus grandes veios históricos, todos eles marcados internamente por vários matizes. Daqui resultou um feixe de teorias e práticas que emanaram do confronto com acontecimentos históricos relevantes, de opções estratégicas e táticas assumidas e de respostas diferenciadas a questões como a articulação entre nação, classe e Estado; a crítica da propriedade e do seu usufruto; a natureza dos sistemas de dominação e os meios de os combater; a relação entre Estado, comunidade e indivíduo; a dinâmica entre partidos e movimentos sociais; ou a visão sobre a modernidade e o progresso.

 

A pluralidade da esquerda deriva das suas histórias concretas e das suas formatações ideológicas, mas também dos seus distintos processos de criação e territorialização. Com efeito, as modalidades de intervenção política são moldadas pelas formações sociais e pelos quadros jurídico-constitucionais nos quais operam, o que nos deverá fazer desconfiar de receituários abstratos sobre o que deva ser uma “política de esquerda”. O diálogo entre as esquerdas – não só entre as diferentes linhagens da esquerda, mas entre as suas distintas expressões territorializadas – é condição essencial para a formulação de alternativas à expansão capitalista e à imposição da hegemonia neoliberal.

 

Observando hoje a situação das esquerdas do Sul da Europa e da América Latina, Boaventura de Sousa Santos faz notar a importância desse diálogo. A essas esquerdas estaria acometido, nos dias de hoje, o mesmo desafio genérico de consolidar duas medidas, o alargamento da participação e do controlo democrático (constituição) e a construção de novos sentidos sobre o público, o social e o político que desnaturalizem o senso comum neoliberal (hegemonia). Partindo de contextos geopolíticos diferentes, as respostas seriam também distintas, e o desígnio comparativo aliás poderia ser alargado para outras latitudes. De qualquer modo, o essencial é que subsistem lógicas de aprendizagem recíproca por aprofundar, cuja intensificação, neste caso específico, permitiria ultrapassar bloqueios e estimular potencialidades, associadas ao alargamento da noção de democracia, num quadro de constrangimento externos, à ativação de pactos de governo entre as esquerdas nas quais se conjuga negociação e estipulação de “linhas vermelhas”, o tratamento democrático da questão da plurinacionalidade e a defesa irredutível dos direitos sociais sempre que estes estiverem assegurados e em perigo.

 

No fundo, as esquerdas encontram-se unidas numa mesma aspiração, determinada pelo postulado de que é possível e necessário sustentar modos de organização social assentes na igualdade, na solidariedade e na cooperação. Eles seriam, em última análise, capazes de alavancar processos de resistência à expansão do capitalismo e das formas de dominação dele derivadas e, simultaneamente, de combater as pressões estruturais que bloqueiam a autorrealização dos sujeitos. Para isso, as esquerdas precisam de mobilizar a história e a memória dos seus combates mas também fazer o seu exame crítico sobre os seus (in)sucessos e limitações. Isso passa por refletir sobre o estalinismo e o socialismo real, sobre a conversão da social-democracia ao social-liberalismo e a dificuldade em alimentar eficazes e duradouros processos contra-hegemónicos. Mas passa também por perceber que a esquerda nos dias de hoje só será o nome de um projeto emancipatório se souber ser crítica do capitalismo e da predação da natureza, do patriarcado e das diferentes opressões sustentadas na diferença, do colonialismo e dos seus fundos legados.

 


Referências e sugestões adicionais de leitura:

Grosfoguel, Ramón (2009), “Izquierdas e Izquierdas Otras: entre el proyecto de la izquierda eurocéntrica y el proyecto transmoderno de las nuevas izquierdas descoloniales”, Tabula Rasa, n.º 11, pp. 9-29.

Santos, Boaventura de Sousa (2015), “A esquerda do futuro: uma sociologia das emergências”, Sul 21, http://www.sul21.com.br/jornal/a-esquerda-do-futuro-uma-sociologia-das-emergencias-por-boaventura-de-sousa-santos/

Soeiro, José e Cardina, Miguel (2012), “Socialismo e Alternativa: seis hipóteses em busca de um ator”, Vírus, n.º 2, pp. 6-12.

 


Miguel Cardina é Investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (CES). Coordenador do projeto CROME – Memórias Cruzadas, Políticas do Silêncio. As guerras coloniais e de libertação em tempos pós-colonial, financiado pelo European Research Council (StG-ERC-715593).

 

Como citar

Cardina, Miguel (2019), "Esquerdas", Dicionário Alice. Consultado a 17.10.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=1&entry=24281. ISBN: 978-989-8847-08-9