Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

 

 

Memórias

Miguel Cardina
Publicado em 2019-04-01

Memórias são representações do passado tal como se forjam no presente. Se o processo implica a existência de um sujeito que recorda e se apropria da história de um modo singular, a verdade é que o ato de rememorar é eminentemente social, moldado por estruturas culturais, por convicções ideológicas e por marcadores de classe, raça ou género. Importa vincar ainda que a recordação de fenómenos passados, direta ou indiretamente experienciados, é sempre feita de modo retrospectivo, pois é a partir de um dado presente que os sujeitos e as sociedades evocam e ressignificam o acontecido.

 

Na primeira metade do século XX, Maurice Halbwachs falou da existência de quadros sociais da memória e cunhou o termo “memória coletiva”, abrindo campo para a reflexão sobre o conceito de memória para lá da teoria do conhecimento e do campo da psicologia. Seria porém nas últimas décadas do século XX que o termo ganhou um espaço crescente, num quadro marcado pela afirmação de novas identidades associadas a processos de (re)construção nacional ou a reivindicações culturais; pela visibilização dos legados de guerras, genocídios e crimes contra a humanidade; pelas mudanças tecnológicas que permitiram uma maior e mais plural difusão de representações do passado; e ainda pelos impactos do pós-estruturalismo na reflexão historiográfica.

 

Nas últimas décadas, poucos termos tiveram uma tão extensa difusão nos centros de produção intelectual e uma tão lata presença nos espaços públicos como o conceito de “memória”. Se é certo que o fenómeno do Holocausto e o estudo das “memórias traumáticas” a ele associadas concitou uma particular atenção num primeiro momento, os estudos da memória assistiram depois à proliferação de novas ferramentas conceptuais. Considerando em comum justamente o caso do Holocausto e dos legados coloniais, Michael Rothberg sugere a possibilidade de se ativar uma “memória multidirecional” que articule diferentes memórias (p. ex. memória do Holocausto e memória da escravatura e do colonialismo), permitindo assim desafiar as narrativas que obliteram determinados fenómenos a partir da afirmação da superior singularidade de outros e colocar em contraste produtivo diferentes memórias com aspetos comuns, abrindo espaço para o diálogo, o conhecimento e a solidariedade.

 

De múltiplas formas e a partir de variados contextos geopolíticos, a memória tornou-se também, nas últimas décadas do século XX, um elemento central no questionamento da violência e da repressão – onde muitas vezes os testemunhos das vítimas serviram de meio de prova no quadro de processos de “justiça de transição” – buscando-se assim uma nova ligação entre as atrocidades do passado e um futuro mais digno e justo. Isto não nos deve fazer esquecer, porém, que este reconhecimento da injustiça e do sofrimento depende do poder que regiões do mundo ou grupos sociais possuem ou não para inscrever socialmente as suas narrativas e para traduzi-las em gestos públicos que muitas vezes têm de se confrontar com desigualdades estruturalmente encrustadas nos Estados e nas sociedades.

 

Memória e esquecimento são pois construções sociais, reformuladas continuamente na relação dialética com a ordem social e política vigente. Nesta medida, e de forma mais abrangente, todas as sociedades e grupos possuem “políticas de memória”, ou seja, mecanismos através dos quais se selecionam marcos históricos e se constituem narrativas, instituições e valorações que as dotam de conteúdo e sentido, e que não são por isso indissociáveis de “políticas do silêncio”, através das quais se constroem representações seletivas do passado. A dimensão política da memória remete assim para uma particular concatenação entre passado, presente e futuro: as evocações do passado são construídas sempre a partir de um dado presente e o seu alargamento - através da crítica que evidencie como e porquê se visibilizam ou silenciam determinados grupos sociais, mas também, mais genericamente, através de uma crítica da razão metonímica e das suas formas de produção de não-existência - têm um potencial transformador, na medida em que permitem a imaginação de futuros desejáveis.

 

Cristalizada como “tradição”, a memória pode funcionar como um “essencialismo estratégico” que toma formas de demanda contra-hegemónica. Importa ter em conta, porém, que a tradição comporta sempre uma forte dose de “invenção” – tal como foi mostrado por Eric Hobsbawm e Terence Ranger na análise dos processos de construção das nações modernas – e que essas dinâmicas de pertença e reconhecimento, alavancadas a partir do passado e da cultura, não devem conduzir a modos de negação da pluralidade e da diferença.

 


Referências e sugestões adicionais de leitura:

Chakrabarty, Dipesh (2000), Provincializing Europe. Princeton: Princeton University Press.

Hobsbawm, Eric e Terence Ranger (1983) (ed.), The Invention of Tradition. Cambridge: Cambridge University Press.

Rothberg, Michael (2009), Multidirectional Memory. Remembering the Holocaust in the Age of Decolonization. Stanford: Stanford University Press.

Santos, Boaventura de Sousa (2002), "Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências", Revista Crítica de Ciências Sociais, 63: 237-280.

 


Miguel Cardina é Investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (CES). Coordenador do projeto CROME – Memórias Cruzadas, Políticas do Silêncio. As guerras coloniais e de libertação em tempos pós-colonial, financiado pelo European Research Council (StG-ERC-715593).

 

 

Como citar

Cardina, Miguel (2019), "Memórias", Dicionário Alice. Consultado a 17.10.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=1&entry=24320. ISBN: 978-989-8847-08-9