Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

 

 

Opressão

André Cristiano José
Publicado em 2019-04-01

Falar em opressão nos dias de hoje, pressupõe reconhecer que, não obstante o facto de imperar uma certa tendência triunfalista em relação às conquistas da humanidade, persistem no mundo experiências de sofrimento, exclusão e silenciamento de povos, grupos e pessoas individualmente consideradas. Trata-se de reconhecer que o Sul existe enquanto contra-polo de um Norte que comummente se reveste na forma de colonialismo, neo-colonialismo, capitalismo, patriarcado, racismo, xenofobia, sexismo e homofobia. Socorrendo-nos de Albert Memmi, diríamos que a opressão constitui a expressão de discursos e práticas de heterofobia, isto é, o lugar de destino e o produto de todas as constelações fóbicas e agressivas dirigidas a outrem e que pretendem legitimar-se através de argumentos diversos, quer estes sejam de índole biológica, psicológica, histórica, cultural, social ou metafísica.


O que é central na opressão é o injusto, cruel e desumano exercício de poder sobre pessoas, grupos e povos, resultante da operacionalização de estruturas de dominação, ancoradas (ou não) em ideologias de superioridade. Nesse sentido, a ocorrência de situações de opressão não estará necessariamente condicionada ao uso de violência física extrema, nem à existência de uma correlativa legitimação jurídico-formal (como aconteceu, por exemplo, nas sociedades esclavagistas e no regime do apartheid). Estará, sim, entranhada nas normas, práticas, hábitos e símbolos veiculados e reproduzidos na vida quotidiana. É o que Jean Harvey denomina “opressão civilizada”.


Pois, a opressão se apresenta e representa de múltiplas e intersectadas formas, tão complexas quanto as sociedades contemporâneas. Embora reconhecendo a impossibilidade de definição de um elemento agregador que caracterize todas as situações e condições de opressão, podemos afirmar que o que é comum aos oprimidos é o facto de verem limitada (ou mesmo proibida) a faculdade de expressar a sua própria vida, os modos de pensar, agir e sentir. Em contraposição a esse estado de impossibilidade ou de limitação da vida humana, a opressão pressupõe vantagens para quem a pratica. Por isso, “opressão”, para além de caracterizar uma condição, é uma categoria central no discurso de pessoas, grupos e povos vítimas de heterofobia, nomeadamente, desempregados, trabalhadores, mulheres, não-brancos, homossexuais, lésbicas, imigrantes, etc. Sendo uma expressão praticamente ausente no discurso político dominante, o uso do termo por parte dos movimentos sociais contra-hegemónicos e dos grupos oprimidos significa uma denúncia contra as estruturas políticas, económicas, sociais e culturais forjadoras da opressão. É precisamente partindo dos contextos de luta dos grupos oprimidos que, por exemplo, Iris Marion Young agrega a opressão em cinco modalidades: exploração, marginalização, violência, desempoderamento e imperialismo cultural. Passamos a descrever, de forma necessariamente esquemática, as duas primeiras modalidades.


A teoria marxista desmistifica os sentidos da exploração, ao identificá-la como resultado de uma relação estrutural de desigualdade, entre detentores dos meios de produção e os demais cidadãos e cidadãs que, quando podem, vendem a sua força de trabalho, em regra ao preço que lhes é imposto de forma unilateral e liminar. Funcional a esta relação, um conjunto de instituições e de regras definem o que conta como trabalho, quem pode trabalhar, para quem se pode trabalhar e em que condições, e como deve o trabalho ser compensado. Reconhecendo que o capitalismo se desdobra em múltiplas e complexas formas de exploração, a compra e venda da força de trabalho estará articulada com outras formas de dominação como, por exemplo, a segregação sexual e racial.


A marginalização é o processo através do qual largas camadas de cidadãos e cidadãs são não só condenadas a situar-se fora do sistema de produção capitalista, mas também impedidos de fazer parte da vida social comum. Nalguns casos, a marginalização resulta na reprodução de condições sub-humanas extremas e, no limite, significa a condenação à morte aos indesejados, descartados e apagados da sociedade.


O que nos parece importante realçar no questionamento sobre os sentidos da opressão é a necessidade de desvendar os contextos históricos em que a mesma se produz e reproduz, tendo presente que haverá interseções entre as diferentes formas de opressão. Tão importante quanto isso, será perceber em que medida o (re)conhecimento das formas de opressão – no sentido de identificação e denúncia das estruturas sociais que as sustentam – poderá ser um dos pontos de partida para construção de outros mundos onde a verdadeira humanidade é possível.

 

Referências e sugestões adicionais de leitura:
Harvey, Jean (2010), “Victims, Resistance and Civilized Oppression”, Journal of Social Philosophy, 41(1), 13-27.
Harvey, Jean (2015), Civilized Oppression and Moral Relations. Victims, Fallibility and Moral Community. London: Palgrave Macmillan.
Memmi, Albert (1993), O Racismo. Lisboa: Caminho.
Young, Iris Marion (1990), Justice and the Politics of Difference. Princeton, New Jersey: Princeton University Press.

 

André Cristiano José é advogado, licenciado em direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. É mestrado em sociologia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (Programa Pós-colonialismos e Cidadania Global). Foi investigador do Centro de Formação Jurídica e Judiciária de Moçambique.

 

Como citar

José, André Cristiano (2019), "Opressão", Dicionário Alice. Consultado a 17.10.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=1&entry=24455. ISBN: 978-989-8847-08-9