Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Destaque Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

 

 

Racionalidades

Isabel Gomes
Publicado em 2019-04-01

“Já nos habituámos a ver a razão moderna sentada no banco dos réus”, afirma Miguel Baptista Pereira (1992). Neste texto, o filósofo, amigo pessoal de Boaventura de Sousa Santos, coloca na primeira linha de acusação da lógica racional moderna “a natureza e a vida ameaçadas de holocausto”. Todavia acrescenta, de imediato, que o julgamento da modernidade não pode ser sumário, havendo que distinguir entre o seu contributo positivo e os seus limites e fracassos. É no mesmo horizonte histórico-reflexivo que se enquadra o questionamento de Boaventura de Sousa Santos acerca do projeto sócio-cultural moderno e das distintas racionalidades que dele emergiram: a racionalidade cognitivo-instrumental da ciência e da técnica, a racionalidade moral-prática da ética e do direito e a racionalidade estético-expressiva da arte e da literatura. Rejeitando, também, a condenação sumária da Modernidade, reconhece-lhe a contradição dos seus projectos mas, simultaneamente, a riqueza de possibilidades na configuração de um paradigma futuro.


Na sua reflexão acerca das racionalidades do paradigma moderno, o sociólogo das Epistemologias do Sul abre caminhos para a construção de lugares habitados por uma racionalidade mais plural, como contraponto ao desencantado paradigma moderno, que conferiu o primado à racionalidade científica e tecnológica.


Na análise do projeto social-moderno, Boaventura de Sousa Santos identifica dois pilares fundamentais: o pilar da regulação e o pilar da emancipação. O primeiro é constituído por três princípios – do Estado, do mercado e da comunidade – e o segundo pelos três tipos de racionalidade acima referidos. Do desenvolvimento harmonioso e recíproco dos dois pilares estava dependente a racionalização da vida coletiva e individual e a concretização de valores como a justiça, a solidariedade, a igualdade e a liberdade, entre outros. Todavia, os desequilíbrios cedo se fizeram sentir. Surgiram excessos e défices reconhecidos, de imediato, como constitutivos do próprio paradigma em processo, cuja gestão foi confiada à ciência. A racionalidade cognitivo-instrumental científica e tecnológica inicia assim a ocupação feroz dos territórios das demais racionalidades. É uma razão que se posiciona acima de qualquer juízo moral, que, aliando-se à técnica, coloniza a política, assim como todas as experiências humanas e sociais, fazendo da natureza e da sociedade recursos ao dispor do poder. Até o universo da sensibilidade e das artes se viu contaminado pela magia da ciência e da técnica, como atestam os movimentos vanguardistas dos últimos anos do século XIX e início do século XX.


No que respeita à intrusão no pilar da regulação, a hipercientifização da razão foi responsável pelo desenvolvimento desregrado do mercado que se impôs aos demais princípios, traduzindo-se num esgotamento do princípio da comunidade e numa invasão do princípio do Estado. Em suma, a articulação entre a racionalidade científica e o mercado foram responsáveis pelo incessante agravamento de excessos e défices do paradigma. Estes, por seu lado, conduziram à já referida ameaça de destruição da natureza e da vida, bem como ao profundo desequilíbrio social.


No entanto, no mesmo solo em que nasce o perigo, Boaventura de Sousa Santos vê emergir possibilidades de futuro. Reconhece-as nas representações da modernidade que, de algum modo, resistiram à cooptação total. Trata-se do princípio da comunidade, no pilar da regulação, e da racionalidade estético-expressiva da arte e da literatura, na matriz da emancipação.


A razão sensível, em si mesma inacabada e indefinível, une, na sua ação-experiência, a intencionalidade e a causalidade; revaloriza a qualidade em detrimento da quantidade e reabilita o debate acerca do sentido da verdade. Abre, assim, espaço a outras verdades para além da verdade-adequação, específica da ciência. As experiências de prazer, autoria e artefactualidade discursiva (Santos: 2002), constitutivas da racionalidade estético-expressiva, transcendem os limites da mera explicação científica e do ativismo epistemológico e tecnológico, invisibilizador do ser. Por outro lado, abrem a novas experiências de comunidade: lúdicas, criativas e argumentativamente abertas. Enfim, a racionalidade estético-expressiva da arte e da literatura, cruzando, na sua acção, a razão teórico-discursiva e a vivência plural do corpo sensível, abre o campo dos possíveis a uma razão plural prática.


Recorrendo a um distinto jogo de interações entre a comunidade e as distintas racionalidades emancipatórias, herdadas da modernidade, é possível, segundo Boaventura de Sousa Santos, o esboço de um novo paradigma. Um paradigma superador da epistemologia e da ontologia modernas, no qual se conjugam uma dimensão teórico-epistemológica e uma dimensão prática-social do conhecimento e da vida. Esta dupla dimensão é visível na forma como o seu autor o designou, a saber: o paradigma de um conhecimento prudente para uma vida decente.

 

Referências e sugestões adicionais de leitura:
Pereira, Miguel Baptista (1992), “Modernidade, Fundamentalismo e Pós-Modernidade”, Revista Filosófica de Coimbra, 2, 206-263.
Santos, Boaventura de Sousa (2002), A Crítica da Razão Indolente: contra o desperdício da experiência. Porto: Afrontamento. [2.ª ed.]
Santos, Boaventura de Sousa (2006), A Gramática do Tempo. Para uma nova cultura política. Porto: Afrontamento.

 

Isabel Gomes é doutoranda em Pós-Colonialismos e Cidadania Global no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. É Mestre em Filosofia Contemporânea pela Universidade de Coimbra. Pós-graduou-se em Cultura e Literatura Africana, pela Escola Superior de Educação de Santarém e Mediação de Conflitos, pela Universidade Lusófona do Porto.

 

Como citar

Gomes, Isabel (2019), "Racionalidades", Dicionário Alice. Consultado a 27.01.20, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=1&entry=24500. ISBN: 978-989-8847-08-9