Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

 

 

Xitiki

Teresa Cunha
Publicado em 2019-04-01

O xitiki é um nome em língua Changana do sul de Moçambique que designa uma prática sócio-económica que se pode caracterizar, de uma forma geral, da seguinte maneira: num grupo de pessoas constituído de forma autónoma cada participante contribui para um fundo comum com moeda, produtos, trabalho ou tempo que será, em primeiro lugar, reunido e, depois, redistribuído à vez por cada uma das pessoas membros. Apresenta-se com muitas variações quanto a procedimentos e objetivos assim como relativamente a códigos de conduta e estilos estéticos. Além do mais esta prática socioeconómica pode ser identificada em vários continentes e países sob outras designações, tais como: Hui, China, Ko, Japão, Ho, Vietname, Djanggis, Camarões, Esusu, Nigéria, Tontine, Cambodja e África Central, Wichin gye, Coreia, Likelembas, República Democrática do Congo, Abota, Guiné-Bissau, Kixikila, Angola, Stokvel, África do Sul, Tandas, México, entre outros. Tanto os dados empíricos como a literatura mostram que estas práticas são sobretudo levadas a cabo por mulheres.

 

Uma análise desenvolvimentista e que não rompa com o paradigma capitalista olha para o xitiki como um retorno, mais ou menos elaborado, à tradição ou uma mera estratégia de contingência devido à persistente escassez de recursos, e meios de acesso a eles a que está sujeita uma boa parte da população de Moçambique.

 

Contudo, a pragmática do xitiki mostra-se imbuída de uma visão de economia política do bem comum, de uma ética com especificidades extra-económicas e uma estética inserta em relações sociais complexas e ricas em variações, detalhes, significados e códigos de conduta.

 

Nas rodas de Xitiki todas as decisões importantes relativas aos objetivos do fundo comum, montantes e contribuições, calendário da redistribuição, regras de funcionamento, identificação de excepções são tomadas pelo colectivo e de forma consensual. Além disso, fazem-se registos – escritos ou não - de todas as operações realizadas que são controlados pelo grupo. Uma outra característica comum é que são escolhidas por consenso as lideranças quer executivas quer políticas de cada grupo. A sua plasticidade na procura das singularidades práticas de cada grupo não desvirtua esta auto-identificação como processo democrático.

 

A prática do xitiki é comumente inserida no que se denomina por redes de solidariedade ou de reciprocidade. Estas redes de relações incluem, entre outras, redes de parentesco, vizinhança, a comunidade religiosa, associações locais e grupos informais de poupança. Aspectos como a confiança, o respeito, os deveres mútuos, a entre-ajuda, o compromisso e a solidariedade estão na base destas redes. O compromisso e a confiabilidade de cada participante possibilitam a estabilidade de que os grupos necessitam para se manterem. O xitiki é, assim, muito mais do que um sistema de poupança e crédito rotativo pois envolve a criação e o estreitamento de relações pessoais, familiares, comunitárias e uma gratificação pessoal e colectiva na forma como se atingem os objetivos traçados.

 

Um dos seus actos distintivos é que o ‘mealheiro’ não é um objecto físico mas a confiança agregada do grupo numa pessoa ou várias pessoas que se responsabilizam pelas riquezas da pequena comunidade e que terão de prestar contas sobre elas. Esta pequena grande diferença presta-se a considerar que o xitiki envolve uma ética comportamental e de grupo assim como promove uma estética nos momentos de recolha e de distribuição dos recursos. A pessoa ou pessoas responsáveis pelo xitiki não se limitam a entregar o dinheiro mas devem também promover o envolvimento de todo o grupo no processo organizando um momento celebratório e convivial quasi ritual para que cada um dessas passagens de recursos seja um acto colectivo de reforço mútuo.

 

Para além disto, o xitiki pode ser pensado como como uma estratégia de Educação Popular entendida como a conscientização dos grupos e das comunidades ainda que não sejam nomeadas enquanto tal. Esta potencialidade endógena do xitiki é suficientemente forte para se constituir como uma instância educativa popular de valorização de aptidões e aprendizagens não escolares porém vitais, relevantes e úteis nas sociedades em causa e na consolidação e ampliação de conhecimentos dos grupos em diversas áreas dos saberes e da sua capacidade de reflexão sobre si e sobre a sociedade em geral.

 

Trata-se de uma sócio-economia que as Epistemologias do Sul nos possibilitam perceber e que podemos designar de não-capitalista, uma racionalidade ainda não-colonizada e que resulta, na maioria das vezes como ensaios múltiplos e insurgentes de pensar o futuro, no presente em vez de o relegar para um qualquer passado revisitado.

 

Referências e sugestões adicionais de leitura:
Cunha, Teresa (org.) (2011), Ensaios pela democracia. Justiça, dignidade e bem-viver. Porto: Afrontamento.
Trindade, Catarina Casimiro (2011), “Convívio e solidariedade: Práticas de xitique em Moçambique”, in Teresa Cunha, Celina Santos, Tatiana Moura, Sofia Silva (orgs.), Elas no sul e no norte. Coimbra: AJP, 183-192.

 

Teresa Cunha é investigadora sénior do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. É doutorada em Sociologia pela Universidade de Coimbra e professora-adjunta da Escola Superior de Educação do Instituto Superior Politécnico de Coimbra. Investigadora associada do CODESRIA e do Centro de Estudos Africanos da Universidade Eduardo Mondlane, Moçambique.

 

Como citar

Cunha, Teresa (2019), "Xitiki", Dicionário Alice. Consultado a 17.10.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=1&entry=24586. ISBN: 978-989-8847-08-9