Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

 

 

Pluralismo Jurídico

Sara Araújo
Publicado em 2019-06-13

O termo pluralismo jurídico foi cunhado nos anos 1970, mas já no início do século XX, o conceito de direito vivo, desenvolvido por Eugen Ehrlich, desafiava o que, um texto seminal de John Griffiths, publicado nos anos 1980, viria a designar por ideologia do centralismo jurídico, isto é, a convicção de que a produção e a administração do direito são monopólio do estado. No referido artigo, Griffiths afirmava perentoriamente que o pluralismo jurídico é o facto e o centralismo jurídico um mito, uma ilusão.


O reconhecimento e a disseminação do conceito de pluralismo jurídico devem muito à antropologia e à sociologia do direito, que lhe acrescentaram uma dimensão empírica, identificando e descrevendo a coabitação de múltiplos sistemas jurídicos, primeiro, em contextos coloniais e pós coloniais e, mais tarde, em sociedades industrializadas no Norte; numa primeira fase, concebendo como estáticas e paralelas as diferentes ordens jurídicas, vindo a reconhecer, posteriormente, a omnipresença de uma dimensão dinâmica. O pluralismo jurídico refere-se a ordens jurídicas que não só coexistem, como interagem. As paisagens da justiça são caleidoscópicas e marcadas, com maior ou menor intensidade, por aquilo a que Boaventura de Sousa Santos chamou interlegalidade. Os híbridos jurídicos são, pois, frequentes e podem invadir a esfera do Estado, dando lugar a situações que, na teoria do referido autor, edificam um Estado heterogéneo.


O direito moderno foi constituído de modo compatível com os interesses do projeto capitalista e eurocêntrico. À imagem da ciência, a sua alegada universalidade assenta num etnocentrismo epistemológico imposto por via da colonialidade jurídica. Se a primeira é responsável pelo epistemicídio, a conceção moderna de direito legitimou o juricídio. O conceito de pluralismo jurídico tem, pois, lugar na descolonização do pensamento jurídico enquanto instrumento de provincialização do direito moderno e de ampliação dos mapas da imaginação jurídica e política.


Ainda que Boaventura de Sousa Santos tenha desenvolvido os principais conceitos das Epistemologias do Sul num momento posterior ao trabalho sobre o pluralismo jurídico, muito do que vem a ser sistematizado na sua proposta epistemológica encontrava-se nos seus trabalhos dos anos 1970 e 1980. Na divisão entre o direito de Pasárgada e o direito do asfalto, que abordou na sua tese de doutoramento, avistamos o que, décadas mais tarde, viria a ser formulado como linha abissal. Já nessa altura, esta não era apenas uma questão teórica e analítica, era um problema epistemológico: qual a validade do conhecimento que define como não direito o que é valido enquanto tal para vastas camadas da população?


A relação entre o pluralismo jurídico e a descolonização do pensamento jurídico não é inequívoca. Questionar o centralismo jurídico é insuficiente quando o cânone jurídico moderno continua a servir de padrão e a pluralidade do mundo é homogeneizada no polo negativo das dicotomias modernas: local, primitivo, informal, não-estatal, tradicional. As trajetórias dos processos políticos de reconhecimento da pluralidade jurídica são heterogéneas, mas podem ser agrupadas em dois tipos movimentos: de um lado, encontram-se os processos de reconhecimento impostos de cima para baixo, que envolvem um conjunto de conceitos compatíveis com o pensamento linear e a ideia de progresso, como políticas de desenvolvimento, eficácia, agências doadoras, reforma do setor, capacitação, medição de impacto ou pobreza; do outro, os processos de refundação do Estado protagonizados pelos excluídos e seus aliados, com o objetivo de expandir o campo do político para além horizonte liberal.


O primeiro, presente em políticas do Banco Mundial e outras organizações internacionais, mimetiza traços do modelo colonial do governo indireto, que assentava no reconhecimento e na instrumentalização da legitimidade das instituições locais conquistadas e separava cidadãos com direitos e indígenas sem cidadania. O segundo inclui as reformas constitucionais que ocorreram no Equador e na Bolívia e foi descrito por Boaventura de Sousa Santos como embrião de transformação paradigmática do Estado moderno.


A temática do pluralismo jurídico não se esgota nas escalas nacional e local. Ambos os casos de reconhecimento do pluralismo jurídico - a partir de cima ou a partir de baixo – devem ser enquadrados no contexto do pluralismo jurídico global, cujo estudo inclui para além das ordens locais e estatais, a escala global do direito, onde cabe hard law e soft law, direitos humanos e lex mercatória. No presente, o pluralismo jurídico global é fortemente marcado pela internacionalização do neoliberalismo e pela maior facilidade de reconhecimento das ordens jurídicas quando compatíveis com o projeto neoliberal. Isto não significa que o Estado esteja a perder relevância, mas que existe pressão para que seja regulado de acordo com a lógica do mercado.


Referências e sugestões adicionais de leitura:
Araújo, Sara (2016), "O primado do direito e as exclusões abissais: reconstruir velhos conceitos, desafiar o cânone", Sociologias, 43 (18), 88-115.
Higuera, Libardo Ariza & Maldonado, Daniel Bonilla (org.) (2007), Pluralismo Jurídico. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, Universidad de los Andes, Pontifícia Universidad Javeriana.
Santos, Boaventura de Sousa (2002), Towards a New Legal Common Sense. London: Butterwords.


Sara Araújo é investigadora do CES. Doutorou-se em sociologia do direito, com uma tese sobre pluralismo jurídico e Epistemologias do Sul. Fez parte da equipa de coordenação do Projeto Alice – Espelhos Estranhos Lições Imprevistas, hoje transformado em Programa de Investigação em Epistemologias do Sul.

 

Como citar

Araújo, Sara (2019), "Pluralismo Jurídico", Dicionário Alice. Consultado a 17.10.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=1&entry=25644. ISBN: 978-989-8847-08-9