Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destacado Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Destacado Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

 

 

Espaço e Lugar

Patrícia Branco
Publicado em 2019-04-01

País, nação, cidade, campo, rua, casa. Espaços e lugares com que nos relacionamos ou que frequentamos habitualmente. As concepções de espaço e lugar interpenetram-se constatemente nas nossas vidas. E influenciam-se mutuamente, jogando assim com os significados que atribuímos a cada um deles, significados que são também eles situados no espaço e no tempo: a relação espaço-tempo deve ser considerada como um dispositivo cénico e de reflexão mediadora das relações sociais e de poder nos diferentes contextos históricos e geográficos (aliás, para Anthony Giddens a separação operada entre espaço e lugar é resultado de um determinado contexto – o período da modernidade – e de uma forma ocidental de encarar a realidade em termos binomiais).

 

Longe de serem estáticos ou neutros, espaço e lugar têm dinamicidade, fluidez, nuances várias. Daí que o espaço não possa ser compreendido fora do humano, independente das suas sensações e percepções, das experiências vividas, das aspirações que os povos relacionam àquele espaço ou a determinado lugar. As identidades dos espaços, do eu e do nós são mutuamente dependentes. O que implica, por um lado, estarmos conscientes da multiplicidade simultânea de espaços que ocupamos, que se interseccionam, se opõem, ou se alinham, e que dão lugar a experiências vividas diferentes, consoante as relações sociais de poder que estabelecemos com os/as outros/as nos espaços e com os espaços (Massey, 1994). E, por outro, a dificuldade em definir espaço e lugar.

 

Os estudos pós-coloniais sempre chamaram a atenção para a necessidade de pensar o espaço como dimensão integral de análise das relações sociais e de poder, nos seus vários modos. Classe, raça/etnia, género/sexo, entre outras variáveis, constroem-se nos espaços ocupados, habitados e modificados pelos corpos. Santos (2000) distingue seis espaços estruturais de produção do poder, que são também modos de produção do conhecimento e do direito. São eles o espaço doméstico, o espaço da produção, o espaço do mercado, o espaço da comunidade, o espaço da cidadania e o espaço mundial. O espaço é, pois, um instrumento crítico de organização (e de disciplinação) humana e social, separando, agregando, vigiando e construindo (de formas muitas vezes abstratas e artificiais) indivíduos e comunidades – veja-se o poder dos mapas, da cartografia (geográfica, política, jurídica, simbólica), do planeamento do território e das cidades, das fronteiras, dos muros. E é a partir desta organização social operada no espaço que emergem desigualdades e disparidades geopolíticas (o caso do Norte e do Sul globais; a vinda de refugiados e migrantes para a Europa e o espaço do mar Mediterrâneo como lugar de morte), económicas (a questão de um espaço europeu, hoje bastante fragilizado pela saída do Reino Unido da União Europeia e sucessivas crises económicas) e sociais (pense-se, por exemplo, na diferenciação entre os sexos operada pela divisão entre espaço doméstico e espaço público).

 

Espaço e lugar servem, pois, de  interface com os corpos (humanos e não-humanos), e dos vários corpos entre si, com as suas identidades e pertenças; memórias; afetos e sentidos; religiões e espiritualidade; conhecimento; trabalho; família. Os corpos movem-se nos espaços, e nos espaços são sujeitos de direitos e de deveres; são sujeitos a controlos de diversa ordem; são segregados e oprimidos; são criminalizados e punidos – estamos perante espaços de regulação e/ou de violência. Mas é também nos espaços que os corpos competem e protestam, discutem e lutam acerca de ideias, cosmovisões, direitos e igualdades de oportunidades (e que se podem traduzir por lutas pelo direito à cidade ou pelo direito à terra), tornando-se o lugar onde ocorre o debate, um espaço de potencial emancipação e de democratização do direito fundamental a ocupar um determinado espaço (que pode ser um território ou uma habitação – pense-se no Movimento dos Sem Terra, no Brasil). Assim, justiça espacial (Philippopoulos-Mihalopoulos, 2015) é a luta de vários corpos – humanos, naturais, tecnológicos – para ocupar um certo espaço num determinado momento, fazendo parte das atuais discussões jurídicas, políticas, económicas e sociais que envolvem questões tão prementes como conflitos geopolíticos, problemas ambientais, colonização e pós-colonização, cidadania, migrações, conflitos religiosos, entre outras questões.

 

Hoje, é necessário pensar em contestar e renegociar os significados dos espaços, como os de espaço público e espaço privado, e criar espaços alternativos, que permitam o movimento, a criatividade, o pensamento livre. É necessário descolonizar e republicitar o espaço público, muitas vezes sujeito a privatizações de diversa ordem (é o caso dos centros comerciais ou do desaparecimento dos parques infantis públicos nas cidades, com impactos políticos profundos na forma como nos relacionamos). É necessário sair dos “não-lugares”, definidos por Marc Augé como espaços sem os elementos de identidade, relacional e histórica, e criar lugares de encontro, espaços onde a cidadania se possa manifestar.

 


Referências e sugestões adicionais de leitura:

Massey, Doreen B. (1994), Space, place, and gender. Minneapolis, University of Minnesota Press.

Philippopoulos-Mihalopoulos, Andreas (2015), Spatial Justice: Body, Lawscape, Atmosphere. Abingdon/New York: Routledge.

Santos, Boaventura de Sousa (2000), A Crítica da Razão Indolente: Contra o Desperdício da Experiência. Porto: Afrontamento.

 


Patrícia Branco é doutorada em Direito, Justiça e Cidadania no séc. XXI, e investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Os seus temas de pesquisa centram-se no acesso ao direito e à justiça, arquitetura judiciária, direito e humanidades, mutações do direito da família e crianças e questões de género.

 

Como citar

Branco, Patrícia (2019), "Espaço e Lugar", Dicionário Alice. Consultado a 27.01.20, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=4&entry=24278. ISBN: 978-989-8847-08-9