Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destacado Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Destacado Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

 

 

Slam Poetry (Manifesto)

Raquel Lima
Publicado em 2019-04-01

No Slam manifesto ou Manifesto do Slam

 

O Slam não é uma empresa, controlada pelo lucro, fama e prestígio.
O Slam é da rua, das pessoas, e deixa no seu território o seu vestígio.
O Slam é livre e espontâneo! Não é comercial, de forma metafórica ou literal.
O Slam vem do peito e das pernas, vem dos braços e dos abraços.
O Slam vem de dentro para fora, e vem de fora dos cansaços.
O Slam não é fraude, nem é plágio, nem é uma patente.
O Slam é da gente, do bairro e nasce da poesia omnipresente.
O Slam não é um franchising de investimentos em cadeia.
O Slam é o grupo de aranhas na construção duma mesma teia.
O Slam não é uma corporação, um comité nem uma comissão.
O Slam não é um departamento poético nem a sua subversão.
O Slam vem do corpo irrequieto e da alma desassossegada.
O Slam voa alto sobre a performance e a palavra vomitada.
E no Slam não há júri especializado ou da crítica erudita.
O Slam é a palavra viva que às vezes é escrita, mas é sempre dita!
O Slam é descomplicado, reinventado, transformado e mal falado.
O Slam é filho do pai e da mãe, mas ser órfão é o seu fado.
O Slam não tem amigos fiéis, mas em cada esquina há um “slamigo”.
Não tem mentores, instrutores nem pastores que o evangelizem.
O Slam é feito de palavras de sonhos, mesmo dos que não se concretizem.
O Slam é genuíno e transparente, é vivo e cresce a cada dia.
Quem o plantar deve regar, e deixar germinar com boa energia.
O Slam é menos negócio, menos estratégia, menos compra e venda.
Menos ego, menos poder, menos heróis e menos lenda.
O Slam é de cada um, pessoal e intransmissível, mas também é comunidade.
O Slam é feito dessa ponte entre cada país e cada cidade.
O Slam precisa ser emancipado, valorizado e respeitado.
Mas logo a seguir libertado, ignorado e deixado de lado.
O Slam é o filho bastardo da poesia, e há que estar alertado.
Seguramente nem todos o sabem, porque o Slam vai ser sempre um fedelho.
Mas deixa o teu Slam no Manifesto, porque o Slam-Seguro morreu de velho.


RL (03/01/2014)

 

 

Referências e sugestões adicionais de leitura:

Lima, Raquel (2014), No Slam manifesto ou Manifesto do Slam, acessível em: https://www.facebook.com/notes/poetry-slam-sul/no-slam-manifesto-ou-manifesto-do-slam/504309616350973/

 


Raquel Lima é doutoranda em Pós-Colonialismos e Cidadania Global no Centro de Estudos Sociais, com a sua investigação focada na oratura, raça, género e movimentos afrodiaspóricos. É poeta e artista de spokenword e foi co-fundadora do PortugalSLAM - Festival Internacional de Poesia e Performance.

 

 

Como citar

Lima, Raquel (2019), "Slam Poetry (Manifesto)", Dicionário Alice. Consultado a 26.01.20, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=4&entry=24317. ISBN: 978-989-8847-08-9