Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destacado Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Destacado Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

 

 

Wachachik Mama

Alice Cruz
Publicado em 2019-04-01

Nome kichwa, cuja tradução literal é “sábia que faz parir”, significa parteira nas comunidades kichwa dos Andes e Amazónia Ecuatorianos. As wachachik Mamakuna (plural) cuidam as mulheres gestantes, parturientes e puérperas no pré-parto, parto e pós-parto, muito embora a isso não se constrinjam, dado que tal lógica de especialização seria estranha à medicina kichwa.


Ditos conhecimentos foram sujeitos ao epistemicídio e à criminalização na colónia e na república. A descriminalização das medicinas indígenas data de 1998 e resultou da luta do movimento indígena, organizado em 1986 na Confederación de Nacionalidades Indígenas del Ecuador (CONAIE). Reivindicando o direito à medicina própria, o último logrou, após os levantamentos de 1990, o reconhecimento dos sistemas de conhecimento e de medicina ancestrais nas constituições de 1998 e 2008. Porém, a contemporaneidade não se isenta de ameaças ao seu saber, reinventando-se o epistemicídio na medicalização da sua práctica e na apropriação dos seus conhecimentos.


A medicina kichwa, na qual se inserem as wachachik Mamakuna a par com os Yachak e outros sanadores, nutre-se de uma sabedoria (que alguns apelidaram de filosofia andina e que outros poderiam identificar como epistemologia, muito embora tais noções sejam externas ao léxico indígena) alicerçada nos princípios de relacionalidade, correspondência, complementaridade e reciprocidade. Ensinando que a Pachamama (natureza) transcende a sua fisicalidade, sendo a mãe geradora de toda a vida, e que tudo (natureza, humanos, antepassados, divindades) que habita as diferentes pachas é vivente e, como tal, sente e pensa. Anunciando uma ontologia substanciada pela inter-relacionalidade, avisa que o humano apenas existe em relação com o todo de que é parte e não centro e que a sua integridade se compõe de, não apenas um, mas vários corpos interdependentes. Os mesmos princípios organizam as concepções de saúde, doença e subsequentes abordagens terapêuticas.


Ausenta-se do kichwa uma palavra ou termo equivalente à noção de saúde. O significante mais aproximado é sumak kawsay (oficialmente traduzido como bom viver mas cujo sentido é felicidade) que amplia o significado de saúde a um bem-estar que abrange a totalidade da existência, baseando-se numa inter-relacionalidade harmoniosa. A saúde do humano depende das suas relações de reciprocidade com a natureza, família, comunidade, antepassados e divindades, bem como da harmonia entre os seus diferentes corpos. A doença resulta de um desequilíbrio nas mesmas relações, com etiologias que perpassam causas espirituais, naturais e pessoais, mas que denunciam sempre uma desarmonia e/ou conflito. Concomitantemente, o diagnóstico é em grande parte anamnéstico e, além de uma escuta integral do indivíduo, faz uso de técnicas como a leitura do pulso ou do cuy. Finalmente, o processo terapêutico caracteriza-se por privilegiar as causas sobre os sintomas e por almejar não somente a cura, mas sobretudo sanar o conflito que originou a doença. As suas tecnologias (que vão desde plantas a rituais) descartam tratamentos padronizados para cada enfermidade, adequando-se a cada caso e aos recursos naturais de cada comunidade, assumindo, ainda, feições próprias a cada praticante, dado que a transmissão de conhecimentos caminha a par com a sua produção, alimentando-se da observação, vivência e experimentação.


Assim se compreende que, muitas vezes, a conversão em wachachik mama se dê após o próprio parto, apesar de a aprendizagem remontar à infância no seio das relações familiares e continuar pela vida fora, perante novos problemas que demandam inovação nas respostas. Problemas que, por vezes, não encontram solução na biomedicina, como o posicionamento do feto, o qual é respondido com grande sucesso pelas wachachik Mamakuna. De igual modo, sanam desordens não reconhecidas pela biomedicina, como o espanto que conduz à perda da força vital ou ausência do espírito, terminando, muitas vezes, por curar nosologias biomédicas. Mas a sua acção desintrinca, ainda, desigualdades de género no aconselhamento aos casais ou no cuidado do corpo feminino após o parto com técnicas como o encaderamiento.


Em suma, dão resposta a problemas físicos, espirituais, familiares e sociais, através de uma práctica não remunerada com assento na reciprocidade que, ao mesmo tempo que é alvo de tentativas de regulação, higienização e medicalização, oferece alternativas à violência obstétrica denunciada pelo movimento global de humanização do parto, desfazendo o parto como evento médico e salientando o seu perfil afectivo, familiar e social, libertando o corpo da mulher da posição horizontal para um parto em livre posição e praticando uma ética de cuidado que devolve autonomia à mulher e restaura a dignidade e amorosidade do nascimento.

 

Referências e sugestões adicionais de leitura:
Llasag Férnandez, Raúl (2011), “Derechos de la naturaleza: una mirada desde la filosofía indígena y la Constitución”, in Carlos Espinosa Gallegos, Camilo Pérez Férnandez (orgs.), Los derechos de la naturaleza y la naturaleza de sus derechos. Quito: Ministerio de Justicia, Derechos Humanos y Cultos, 75-92.
Mideros Morales, Raúl Eduardo (2010), “Parir y nacer sin prisas ni rutinas: vigencia de la partería tradicional andina en el siglo XXI”, in Plutarco Naranjo Vargas (ed.), Etnomedicina y etnobotánica: avances en la investigación. Quito: Universidad Andina Simón Bolívar Abya Ayla, 73-80.

 

Alice Cruz é antropóloga e doutorada em Sociologia. É Relatora Especial das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação contra as pessoas Afetadas pela Lepra e seus Familiares. Foi professora na Universidade Andina Simón Bolívar (Equador) e investigadora do Projeto ALICE do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

 

Como citar

Cruz, Alice (2019), "Wachachik Mama", Dicionário Alice. Consultado a 26.01.20, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=4&entry=24584. ISBN: 978-989-8847-08-9