Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destacado Semanal

The dominant contemporary definition of human rights describes human rights as “rights inherent to all human beings, regardless of race, sex, nationality, ethnicity, language, religion,(...)
Jessica Morris

Destacado Semanal

The dominant contemporary definition of human rights describes human rights as “rights inherent to all human beings, regardless of race, sex, nationality, ethnicity, language, religion,(...)
Jessica Morris

 

 

Educação Popular

Erick Morris
Publicado em 2019-04-01

Qual a necessidade de uma educação popular? Por que temos que adjetivar um processo que deveria contemplar a todos? Não bastaria falarmos de educação? Ao adotarmos a definição de popular, carregamos de sentido a nossa escolha por uma educação que não se contenta com o modelo hegemônico, por este ser excludente e antipopular. Modelo este não só constituído de silêncio político, num sentido mais estrito do termo, mas de um “epistemicídio”, calando diferentes formas de se compreender o mundo e de se produzir conhecimentos. A perspectiva da educação popular busca romper o silenciamento imposto por uma dominação bastante complexa, que perdura por séculos, embora metaformoseando-se de diferentes maneiras. Trata-se, portanto, de uma opção transformadora da realidade e emancipadora dos grupos subalternizados ao longo da história.

 

Baseada no diálogo crítico, no contexto sócio-cultural, nos saberes prévios das pessoas e em princípios de horizontalidade, é impossível entender a educação popular sem perceber que é a construção de uma teoria do conhecimento do seu tempo e em constante transformação. Portanto, faz-se necessário compreender um pouco do seu contexto social de origem. Na América Latina, a educação popular tem uma longa e diversa tradição, cujas origens remontam aos movimentos de resistência à ocupação europeia e à luta pela independência política, ganhando consistência em meados dos anos 1950-1960. Influenciada pelas inúmeras experiências de comunidades de base vinculadas à Teologia da Libertação e aos grupos de alfabetização de adultos, além das Revoluções Cubana e Sandinista, o período foi marcado por vários processos emancipatórios e participativos articulados em várias partes do continente.

 

Embora seja um processo bastante coletivo, com expoentes, práticas e origens em diversas partes para além da América Latina, tais como Myles Horton, Ivan Illich dentre outros, dois grandes pensadores latinoamericanos se destacam na formação teórico-política da educação popular e continuam incontornáveis para tratarmos do tema: Paulo Freire (1921-1997) e Orlando Fals Borda (1925-2008). No contexto brasileiro, Paulo Freire começa a ganhar destaque e a desenvolver suas propostas de uma educação libertadora, por meio dos processos de alfabetização de adultos no nordeste brasileiro, contextualizados com a realidade dos/as educandos/as em uma ação altamente política. A prática e a metodologia utilizadas por Freire na campanha nacional de alfabetização no governo de João Goulart (1961-64) e sua principal obra, A Pedagogia do Oprimido (1970), tiveram grande impacto na conotação emancipadora que o conceito de educação popular passou a carregar. Longe de propor um método de educação popular, o que Freire propôs foi uma concepção nova de educação.

 

É importante ressaltar que, com o exílio após o golpe militar de 1964, Paulo Freire passa a percorrer diversas partes do mundo e a conviver com as mais variadas experiências político-educativas que vão aprofundar sua visão e práxis educativa, sobretudo na imersão com as lutas anticoloniais e de independência em África. Nesse cenário, vale destacar que a influência de Amílcar Cabral a partir de suas vivências em Guiné-Bissáu e Cabo Verde e a sua aproximação com o marxismo e com o socialismo africano, tem um profundo impacto nos contextos multilinguísticos no seu pensamento. Estas experiências foram responsáveis por conferir uma maior politização da obra freiriana (Romão e Gadotti, 2012). Assim, a educação popular ganha cada vez mais contornos sociais e de construção coletiva na superação da dicotomia opressor-oprimido.

 

No caso do pesquisador colombiano, Orlando Fals Borda foi um dos principais sistematizadores/as da metodologia investigação-ação participativa, que une propostas de educação popular com elementos mais acadêmicos de pesquisa, visando uma transformação social a partir do empoderamento epistemológico dos grupos marginalizados socialmente. Nos anos 1960 foi bastante influenciado pelo pensamento e prática do padre guerrilheiro Camilo Torres Restrepo, que promovia o diálogo entre marxismo e cristianismo, fundando juntos uma das primeiras faculdades de sociologia da América Latina, em Bogotá, em 1959. Fals Borda continua tendo um profundo impacto na metodologia sociológica latino-americana e nos esforços para a descolonização da universidade ao buscar a aproximação desta com a sociedade.

 

Desde o período de sua formação, a educação popular teve um longo percurso e sofreu diversas mudanças que contribuíram para a construção de movimentos sociais e de sociedades mais democráticas na América Latina, África e também com experiências no Norte global, inclusive com experiências alfabetizadoras em Portugal após a Revolução de 25 de Abril. Nessa trajetória, conquistou espaços na educação escolar, numa tentativa de elaborar uma educação pública emancipatória, mas parte desse sucesso resultou em efeitos imprevistos. A burocratização e a estagnação da força pulsante dessas experiências juntas com o avanço do neoliberalismo e do neodesenvolvimentismo colocaram em crise essa proposta educativa transformadora que tinha como principais referências as disputas de classes sociais.

 

Atualmente, muitos grupos tentam reinventar o legado da educação popular, buscando uma luta mais ampla e inclusiva, capaz de traçar novos percursos a partir da autonomia e de redes solidárias e colaborativas,  como a Universidade Popular dos Movimentos Sociais, que busca articular diferentes saberes (popular, militante, artístico e acadêmico) num processo de tradução intercultural. Outro exemplo significativo é o grupo feminista argentino Pañuelos em Rebeldía, que aporta com a construção de uma educação popular feminista baseada em “emancipação integral, múltipla, complexa, dialética, alegre, colorida, diversa, ruidosa, desafiante, libertária, ética, polifônica, insubmissa, rebelde, pessoal, coletiva, solidária, desafiante” (Korol, 2007: 2).

 


Referências e sugestões adicionais de leitura:

Iglesias, Roberto “Tato” (2014), Un Viaje Hacia la Autonomía: Un recorrido sobre los conceptos y procesos de organización desde la educación popular em Argentina, Río Cuarto: Unirío.

Korol, Cláudia (org.) (2007), Hacia una Pedagogía Feminista: generos y educación popular, Buenos Aires: El Colectivo, América Libre.

Romão, José Eustáquio; Gadotti, Moacir (2012), Paulo Freire e Amílcar Cabral: a descolonização das mentes, São Paulo: Editora Instituto Paulo Freire.

Santos, Boaventura de Sousa (2016), “Master Class #5: Para que serve a educação? A Educação Popular e/na Universidade”, in Projeto Alice. https://www.youtube.com/watch?v=A4K6DJ-p9Q4

 


Erick Morris, Doutorando em Pós-Colonialismos e Cidadania Global (CES/FEUC). Pesquisa educação popular na América Latina, universidades populares, movimentos sociais e epistemologias do Sul. É membro do grupo de investigação Curupiras - Colonidades e Outras Epistemologias (Brasil) e faz parte do conselho editorial da Revista del Cisen Tramas/Maepova (Argentina).

 

 

Como citar

Morris, Erick (2019), "Educação Popular", Dicionário Alice. Consultado a 11.12.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/index.php?id=23838&pag=23918&entry=24274&id_lingua=4. ISBN: 978-989-8847-08-9