Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

The dominant contemporary definition of human rights describes human rights as “rights inherent to all human beings, regardless of race, sex, nationality, ethnicity, language, religion,(...)
Jessica Morris

Destaque Semanal

The dominant contemporary definition of human rights describes human rights as “rights inherent to all human beings, regardless of race, sex, nationality, ethnicity, language, religion,(...)
Jessica Morris

 

 

Nacionalismo(s)

Iolanda Vasile
Publicado em 2019-04-01

O nacionalismo é um conceito muito presente no vocabulário político atual, embora tal não se traduza num acordo quanto ao seu significado e suas múltiplas valências. Uma interpretação do termo passa por assumir que este é um conceito fluido, em constante mutação, determinado e determinante.

 

Os nacionalismos são circunscritos aos espaços culturais, linguísticos e históricos que lhe conferem o locus enunciativo para manifestar de maneira particular as suas identidades, associadas às ideias modernas de nação, construídas na complexidade de moldes daqueles espaços. Enquanto categoria sociopolítica, o nacionalismo pode ser definido como o sentimento abstrato de pertença que se concretiza a partir destes espaços comuns, socio-linguísticos, históricos e culturais, vividos das pessoas e construídos e definidos enquanto projeto de nação.
Se a língua, etnia e religião são elementos herdados, a ideia de nação e, implicitamente o nacionalismo, são construções mutáveis no tempo e espaço, dependentes da existência de uma memória comum das pessoas (Chatterjee, 1993). Esta memória em comum conta com a alimentação perpétua de uma “etnicidade fictícia” (Balibar, 1991), de rótulos enraizados construídos em torno de uma suposta unidade de valores, de etnia, língua e crença. A nação foi geralmente construída em torno de uma caracterização feminina, maternal, fruto de uma memória masculinizada de pertença, de luta e do alcançar. Neste ventre metafórico brotou “o nacionalismo” como domínio do masculino, capaz de defender os interesses da Nação (Mayer, 2000).

 

Na tradição histórico-política do século XIX europeu, a nação constitui-se por oposição a um “Outro”, discurso que reforça a ideia de unidade por oposição. Desta perspectiva, apesar de visto como o grande logro da “civilização europeia”, o nacionalismo foi justamente o gatilho das duas Guerras Mundiais e dos processos de independência africanos e asiáticos nos anos 50 e 60 do século XX. Esta é uma das razões pela qual o “nacionalismo” continua a servir as agendas políticas atuais.
Só recentemente começou a ser reconsiderada a reinterpretação dos referentes teóricos e ideológicos que estão na base do conceito de “nacionalismo”. Mas, para discutir o “nacionalismo” é fulcral desdobrar os significados associados a “pertença” e ao “território”, em relação a uma ideia de nação. A ideia de pertença converge para uma ideia de território, como depositário do espaço físico da nação, mas exemplos como o Estado Palestiniano, ou a própria ideia de unidade territorial falhada da União Europeia, comprovam a dissociação e existência autónoma dos dois termos.
Por outro lado, a conferência de Bandung, o Movimento dos Não-Alinhados, as múltiplas facetas da Guerra Fria, e, depois, a queda do Muro de Berlim, provam a mutabilidade do conceito de nação e a variabilidade dos seus moldes pré-estabelecidos. No fundo, as mudanças sociais, económicas e políticas internacionais das últimas décadas provam a fluidez da própria ideia de “Nação” como um dado. Consequentemente, as novas formas de manipulação do “nacionalismo” têm exposto os problemas deste conceito, através da sua associação a opções políticas extremas. Este desvio permite a exploração do patriotismo como o factor benéfico do nacionalismo.
Em contrapartida, “o nacionalismo anticolonial”, como aponta Chatterjee (1993: 6) demonstra o falhanço do projeto nacionalista eurocêntrico, como projeto universal e incontestável. Desafiando a genealogia universalista, nesta perspetiva o “nacionalismo” surge diretamente associado à contestação de um dado poder político, de uma soberania territorial. De facto, as dinâmicas históricas de vários nacionalismos não-europeus mostram como a resistência espiritual, o mundo privado interior, foi um pilar fundamental do nacionalismo. Esta interpretação permite a associação da ideia de nação a um espaço abstrato, não necessariamente circunscrito territorialmente, tributário apenas da liberdade absoluta e do controle do espírito.

 

Em suma, a história do nacionalismo, ou o “nacionalismo”, não começa com a ideia de nacionalismo europeu, pois enquanto realidade é anterior à emergência do termo, como é o caso das ‘nações originárias’ na América do Norte. Em suma, o nacionalismo, como projeto político, reflete o modelo de Estado-nação europeu, uma ideia de comunidade imaginada, como sublinha Benedict Anderson. Mas é o olhar ao espelho – como quadro conceitual e emocional de cunho (in)formativo - que permite uma presença e participação ativa nas próprias histórias nacionais. À luz das epistemologias do Sul há que relembrar a polivalência de interpretações de mundo possível que assentam no tecer das nossas histórias nacionais e na diversidade de elementos e sensibilidades que constituem a linguagem das memórias (não)faladas. Este movimento circular do mundo permitirá dar voz aos nacionalismos relegados para o lado errado da história, sendo ele nacionalismo desterritorializado ou ostracizado para o espaço da resistência espiritual. Para isso, o corpo da nação precisa assumir-se como andrógino, para facultar a releitura do espectáculo de diversidades que o nacionalismo possa proporcionar.


Referências e sugestões adicionais de leitura:
Balibar, Étienne (1991), “The nation form: history and ideology”, in Étienne Balibar and Immanuel Wallerstein, Race, Nation, Class: Ambiguous Identities. London: Verso, 86-106.
Anderson, Benedict (1991), Imagined Communities: Reflections on the Origin and Spread of Nationalism. London: Verso.
Chatterjee, Partha (1993), The Nation and its Fragments: Colonial and Postcolonial Histories. Princeton: Princeton University Press.
Mayer, Tamara (2000), Gender Ironies of Nationalism: Sexing the Nation. London: Routledge.

 

Iolanda Vasile é investigadora júnior no CES e doutoranda no programa “Pós-Colonialismos e Cidadania Global” do CES, com o tema “O poder da escrita: (re)escrevendo as lutas de libertação em Angola (1945-1961)”. Docente do Instituto Camões na Universidade de Oeste na Roménia.

 

Como citar

Vasile, Iolanda (2019), "Nacionalismo(s)", Dicionário Alice. Consultado a 11.12.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/index.php?id=23838&pag=23918&entry=24416&id_lingua=1. ISBN: 978-989-8847-08-9