Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

The dominant contemporary definition of human rights describes human rights as “rights inherent to all human beings, regardless of race, sex, nationality, ethnicity, language, religion,(...)
Jessica Morris

Destaque Semanal

The dominant contemporary definition of human rights describes human rights as “rights inherent to all human beings, regardless of race, sex, nationality, ethnicity, language, religion,(...)
Jessica Morris

 

 

Objetividade/Neutralidade

António Carvalho
Publicado em 2019-04-01

As noções de objetividade e neutralidade são apanágio dos modelos epistemológicos e ontológicos da modernidade eurocêntrica, universalista, colonialista, patriarcal e especista. Se, no modelo cartesiano clássico, a objetividade é conferida através de uma metodologia que aproxima o humano do divino, produzindo uma linha abissal entre espírito e matéria e entre humanos e não-humanos, na visão da húbris de Francis Bacon o conhecimento é poder e está intimamente associado à capacidade de manipulação da natureza.

 

Seguindo Boaventura Sousa Santos, a objetividade/neutralidade pode ser lida enquanto um localismo globalizado que se manifestou no esclavagismo, na pilhagem de recursos naturais, no epistemicídio, na apropriação de práticas tradicionais e no genocídio de povos humanos e não-humanos para satisfazer os impulsos modernos e expansionistas do homem branco cristão. É uma utopia epistemológica que serve os interesses da tecnociência ocidental e que confunde o saber com a manipulação da matéria, obliterando alternativas não-modernas através da força, da perseguição e do extermínio.


A objetividade e a neutralidade são duas dimensões da mesma ontologia caracterizada por Derrida enquanto falo-logocêntrica, assumindo que é possível reduzir o real a um conjunto de variáveis manipuláveis e acessíveis ao intelecto humano, decorrente de uma epistemologia representacional que ignora o estranho, o estrangeiro e o não-moderno. A neutralidade promove uma cisão entre poder/saber que ignora o facto de que toda a política é ontológica e que toda a ontologia é política – o conhecimento é performativo, reorganizando o mundo material e reconfigurando as relações entre humanos e não-humanos, cristalizando versões específicas de uma realidade múltipla.

 

Os ideais de objetividade e neutralidade são constitutivos de uma onto-epistemologia estrutural responsável pelo desbravamento da floresta Amazónica, dos desastres de Chernobyl e Fukushima, do aquecimento global e da transformação de pessoas e natureza em recursos humanos e naturais. A silvicultura científica, a disciplina humana e a psicogeografia capitalista são expressões da estreita inter-relação entre saber e poder, reificando a ilusão da objetividade em função dos interesses de elites capitalistas e opressoras.

 

A ideia de conhecimento neutro e objetivo tem vindo a ser estilhaçado pelas críticas pós-estruturalistas, feministas, da teoria crítica, do pós-humanismo e dos estudos de ciência e tecnologia. O lugar de fala da epistemologia objetiva e eurocêntrica tem sido questionado e contraposto a ecologias de saberes e cosmopolíticas que reconhecem o poder emancipatório do conhecimento não-europeu, não-branco, não-moderno e pós-colonial.

 

O sujeito moderno ocidental é frequentemente caracterizado enquanto uma entidade dualista que promove uma separação entre natureza e cultura, humanos e não-humanos, corpo e espírito. A objetividade e neutralidade são constituintes de um aparato abissal de domínio psicossomático, natural e social. O binómio objetividade/neutralidade é um modelo ético-político que contrasta com as ecologias de saberes propostas por Boaventura Sousa Santos.

 

O reconhecimento da pluralidade de saberes, vinculados a diferentes grupos sociais, coletivos e contextos geográficos, implica uma visão que assenta na justiça cognitiva, substituindo o epistemicídio pelo direito à existência de epistemologias não-brancas e não-ocidentais. O conhecimento é sempre situado, e os movimentos sociais frequentemente recorrem à produção de epistemologias que contrastam com o paradigma dominante.

 

No caso das controvérsias sociotécnicas, as alternativas ao necrocapitalismo genocida das multinacionais do Norte Global passam pela partilha de conhecimentos, ontologias, elementos culturais e materiais que permitem aos movimentos sociais desconstruir a versão “dominante” da narrativa. Casos como a luta antinuclear em Portugal ou o Tribunal Monsanto reforçam a dimensão profundamente política da produção de conhecimento e como a opressão tecnopolítica, apesar de se apresentar enquanto objetiva e neutra, reflete os interesses dos grupos exploradores.

 

As sociedades contemporâneas estão atualmente sob um ataque dos populismos de extrema direita, do fascismo social, da degradação ambiental e das alterações climáticas. É necessário reinventar o modelo eurocêntrico do conhecimento e reconhecer que a matriz da tecnociência, desenvolvida em parte graças à ambição universalista do Ocidente, se traduziu na emergência de uma nova era geológica – o Antropoceno – marcada por uma expansão capitalista e extrativista sem precedentes.

 

O Antropoceno exige não só uma alteração radical da relação entre humanos e natureza mas também uma reconfiguração da matriz poder/conhecimento. A modernidade capitalista é incapaz de produzir alternativas às entropias autofágicas que atualmente consomem corpos, ecossistemas e utopias. Só através do recurso cosmopolítico aos imaginários não-modernos será possível a produção de respostas suficientemente robustas para fazer face aos desafios ecológicos, políticos e ontológicos de uma modernidade consumida pela sua própria húbris. Ao binómio objetividade/neutralidade contrapomos uma coreografia ecológica e cosmopolítica suportada pelo reconhecimento entre culturas, espécies e subjetividades, uma solidariedade intersecional e emancipatória capaz de produzir uma não-modernidade pós-abissal.

 


Referências e sugestões adicionais de leitura:

Foucault, M. (1980), “Truth and Power”. In Gordon, C. (Ed.). Power/Knowledge - Selected interviews & other writings 1972-1977. Brighton: The Harvester Press, 109-133.

Jensen, C. B., Ballestero, A., de la Cadena, M., Fisch, M., & Ishii, M. (2017), “New ontologies? Reflections on some recent ‘turns’ in STS, anthropology and philosophy”, Social Anthropology, Vol. 25(4), 525-45.

 


António Carvalho é Investigador do CES. É doutorado em Sociologia pela Universidade de Exeter. Tem realizado investigação na área dos estudos de ciência e tecnologia. O seu trabalho atual explora as ramificações entre o Antropoceno, tecnologias emergentes, política e afeto.

 

 

Como citar

Carvalho, António (2019), "Objetividade/Neutralidade", Dicionário Alice. Consultado a 11.12.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/index.php?id=23838&pag=23918&entry=24441&id_lingua=1. ISBN: 978-989-8847-08-9