Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Weekly Highlight

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Weekly Highlight

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

 

 

Oceano Índico

Maria Paula Meneses
Publicado em 2019-04-01

O Oceano Índico, que une a África, a Asia e a Austrália, é o terceiro maior oceano do mundo, pois as suas águas cobrem cerca de 20% da superfície da Terra. Este oceano, cujo nome atual é inspirado na Índia, conheceu vários outros nomes. Por exemplo, nos antigos textos em sânscrito é conhecido como Ratnakara (ou seja, oceano); já em muitos mapas do início da idade moderna é identificado como ‘oceano oriental’ (em oposição ao outro oceano conhecido, o atual Atlântico, então designado de ocidental).


Desde cedo que as águas do Oceano Índico conheceram um trânsito intenso de marinheiros, comerciantes, religiosos, e outros migrantes que se deslocavam em busca de mercadorias, de novas terras, ou do grande desconhecido. Estes movimentos foram moldados por fatores de natureza geográfica, social, religiosa e política. Mas o comércio significa não só a troca de bens, mas também a troca de conhecimentos, crenças e valores. Ao longo dos séculos, essas trocas transformaram o Índico num espaço interligado, onde as ligações económicas, especialmente o comércio de longa distância, jogaram um papel determinante na criação de um projeto global desenvolvido a partir do Oceano Índico. Grande parte das narrativas sobre o Índico tem-se centrado nas suas margens orientais (Ásia), emergindo as costas índicas de África como mais marginais à história deste oceano (Alpers, 2014). Parte deste problema resulta da força de uma narrativa de matriz eurocêntrica sobre a história do Índico (Bethencourt e Ramada, 2007).


A passagem do navegador português Vasco da Gama pelas margens africanas do Índico a caminho da Índia, nos finais do século XV, simbolizou o início da implantação de relações coloniais europeias sobre o Índico. Os projetos subsequentes de historiografias coloniais vão procurar reformular o sentido deste oceano em função do imaginário europeu (o que vai incluir a alteração, inclusive, o nome deste oceano); esta reorganização epistémica e ontológica procurou, e continua a procurar traduzir o Índico em função dos referenciais associados ao moderno projeto eurocêntrico. Porém, apesar desta marca presente em muita da historiografia contemporânea, o Índico vai manter muitos dos seus traços característicos (formados a partir de inícios da nossa era): fluxos especializados de capital e trabalho, habilidades e serviços, ideias e cultura (Bose, 2006). É este processo de globalização que explica a relevância continuada do Oceano Índico como um espaço inter-regional em uma época de intensas interconexões globais.


No século XXI, o Índico continua a jogar um papel estratégico num mundo global, onde continuam a acontecer ações de pirataria, onde a competição chino-indiana pelo controlo de rotas marítimas de energia, de matérias-primas e dos mercados africanos é uma realidade (Lopes, 2013), onde fundamentalismos de matriz cristã e islâmica se cruzam, onde a luta contra desastres naturais e alterações ambientais é uma constante e onde o colonialismo subsiste uma realidade, com a continuidade de tutela colonial sobre vários territórios: França (Mayotte e Reunião), Reino Unido (Arquipélago de Chagos) e a ocupação americana do atol de Diego Garcia.


A descoberta e exploração de petróleo, principal marca económica do Oceano Índico no século XX, continua a dominar as preocupações globais com esta zona do mundo. Porém, a construção de um outro projeto político global, iniciado com o movimento dos não-alinhados em Bandung em 1955, é sinal das alianças forjadas nesta região. A denúncia do colonialismo e do racismo, a proposta de uma política de cooperação económica e cultural de perfil afro-asiático, para além de qualquer proposta neocolonial, e o reclamar das culturas autóctones vão ser momentos quer marcarão esta iniciativa do Sul. Esta realidade, e as ‘novas’ alianças que se estão a consolidar entre a China, Índia e outros países do Sul global traz, de novo, à discussão os temas das alianças sul-sul, dos contínuos processos migratórios que caracterizam a região, as solidariedades anticoloniais, sinalizando a presença de interações globais que ajudam a explicar a diversidade e complexidade que o mundo conhece.


Muitas são as continuidades que marcam o Oceano Índico, principalmente os ventos de monção que determinam as suas estações e as correntes oceânicas que unem as suas margens. As raízes históricas em que as sociedades humanas assentam as suas culturas específicas, o que é muitas vezes chamado de ‘tradição’, continuam a ter um valor significativo num mundo em constante mudança. Imaginar o mundo a que o Oceano Índico pertence requer conhecer os movimentos ao longo do tempo e do espaço de pessoas, coisas e ideias, recuperando histórias profundas esquecidas, reclamando outras formas de ser e estar. Em conjunto, estas diferentes perspetivas tornam possível pensar e sentir um mundo do qual o Oceano Índico é parte e que faz sentido histórica e contemporaneamente.

 

Referências e sugestões adicionais de leitura:
Alpers, Edward (2014), The Indian Ocean in World History. Oxford: Oxford University Press.
Bethencourt, Francisco; Ramada, Diogo (orgs.) (2007), Portuguese Oceanic Expansion, 1400–1800. Cambridge: Cambridge University Press.
Bose, Sugata (2006), A Hundred Horizons: the Indian Ocean in the Age of Global Empire. Cambridge: Harvard University Press.
Lopes, José (2013), Corredores Mineiro-Energéticos 2020: impactos marítimos do Afro-Índico no canal de Moçambique. Maputo: CESAB.

 

Maria Paula Meneses é investigadora coordenadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, núcleo de estudos sobre Democracia, Cidadania e Direito. É doutorada em antropologia pela Universidade de Rutgers (EUA) e Mestre em História pela Universidade de S. Petersburgo (Rússia).

 

Como citar

Meneses, Maria Paula (2019), "Oceano Índico", Dicionário Alice. Consultado a 28.03.20, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/index.php?id=23838&pag=23918&entry=24451&id_lingua=2. ISBN: 978-989-8847-08-9