Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destacado Semanal

The dominant contemporary definition of human rights describes human rights as “rights inherent to all human beings, regardless of race, sex, nationality, ethnicity, language, religion,(...)
Jessica Morris

Destacado Semanal

The dominant contemporary definition of human rights describes human rights as “rights inherent to all human beings, regardless of race, sex, nationality, ethnicity, language, religion,(...)
Jessica Morris

 

 

Pedagogia do Oprimido

Shirley Aparecida de Miranda
Publicado em 2019-04-01

Pedagogia do Oprimido, título da magnun opus de Paulo [Régulus] Freire, publicada em 1968, expõe as reflexões que se puseram em curso a partir da campanha de alfabetização de adultos “De pé descalço também se aprende”, emblema que se insinuava contra a desumanização ideológica de que eram vítimas as pessoas analfabetas e pobres. A experiência pioneira desenvolvida por Freire e equipe teve seus registros destruídos em função do golpe militar que sobreveio no Brasil em 1964. No exílio no Chile, Paulo Freire deu prosseguimento à experiência embrionária nos círculo de cultura com camponeses e elaborou os pressupostos de uma pedagogia que ressitua a “educação como prática de liberdade”, título do livro publicado em 1967.


Na elaboração de Freire, a pedagogia do oprimido “tem que ser forjada com ele e não para ele, enquanto homens ou povos, na luta incessante de recuperação de sua humanidade” (Freire, 2015: 43). A pedagogia do oprimido faz da opressão e de suas causas o conteúdo de reflexão do qual resultará “o engajamento necessário na luta por sua libertação, em que essa pedagogia se fará e refará” (Freire, 2015, idem).


Colocando como centralidade da pedagogia “o problema da consciencia oprimida e da consciência opressora” (Freire, 2015: 57), Freire reposiciona a humanização, consciência do mundo e consciência de si no mundo, no cerne do ato educativo. Conectando criativamente as influências da dialética hegeliana e do materialismo histórico-dialético, Freire definiu o oprimido como sendo forjado no antagonismo das relações sociais. As inspirações variadas – Hegel, Marx, Erick From, Enrique Dussel, Sartre, Fanon, Memmi – conduziram a originalidade com que Freire interpreta o oprimido, analisando em detalhes a introjeção do opressor e a autodesvalia como característica que o esmaga, desumaniza e contra a qual o ato educativo deve insurgir-se.


Tomando como problema a humanização num contexto de opressão, a pedagogia se volta ao reconhecimento da capacidade transformadora do oprimido, tantas vezes narrada por Freire citando os camponeses e operários nos círculos de cultura. A conscientização, conceito estruturante, foi seguidamente explicitada por Freire como atitude crítica, tarefa histórica de resistência aos contextos de opressão, que exige a complementaridade da ação e reflexão (práxis) e a conexão entre política, epistemologia e estética no ato de conhecer. Ampliar a curiosidade epistemológica diante do mundo destaca-se como desafio do ato educativo, que se torna possível considerando a cultura como eixo da educação.


Com a metáfora da “educação bancária”, Freire analisou os procedimentos educativos hegemônicos, instrumento crucial dos sistemas de opressão. A narração dos conteúdos “depositados” nos educandos por meio da memorização, palavra esvaziada da dimensão concreta que produz a cultura do silêncio configura um dos pressupostos dessa educação. Nesse diapasão, a função social da educação é a integração dos oprimidos à estrutura que os oprime. Ironizando o estranho humanismo dessa concepção Freire desvenda o investimento em “fazer dos homens o seu contrário – o automato, que é a negação de sua ontológica vocação de ser mais” (Freire, 2015: 85).


A educação bancária não consiste numa prática mecânica e Freire não está a admitir a passividade dos educandos: “É que, se os homens são seres da busca e se sua vocação ontológica é humanizar-se, podem, cedo ou tarde, perceber a contradição em que a educação bancária pretende mantê-los e engajar-se na luta por sua libertação”. Sua crítica, entretanto, investe na elaboração de um ato educativo intencionalmente emancipatório. A concepção problematizadora da educação fundamenta-se na prática da dialogicidade apoiada na cultura, resultado do esforço criador que requer dizer a sua palavra. “Existir, humanamente, é pronunciar o mundo, é modificá-lo. O mundo pronunciado, por sua vez, se volta problematizado aos sujeitos pronunciantes a exigir deles um novo pronunciar”, por isso, “dizer a palavra não é privilégio de alguns homens, mas direito de todos os homens” (Freire, 2015: 108-109).


A dialogicidade: essência da educação como prática de liberdade é o título do terceiro capítulo de Pedagogia do Oprimido, no qual o método pedagógico é discutido tendo por base a investigação, fluxo no qual a conscientização ocorre. Partindo do pressuposto de que “ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo” (Freire, 2015: 95) indica a confiança como âncora de uma relação de aprendizagem em substituição à autossuficiência incompatível com o diálogo.


A pedagogia que não parte da opressão em abstrato pôde abrir-se para entender outras formas de opressão – como o colonialismo, o racismo e o patriarcado. E o pensamento que se interroga pôde colocar em questão o sexismo presente na linguagem das primeiras obras, aqui propositalmente preservado. Como assinala bell hooks (2017), ao acolher o questionamento crítico dessa falha, Freire manteve seu pensamento pedagógico como um recurso válido de emancipação, com a confiança no povo e na criação de um mundo em que seja menos difícil amar (Freire, 2015: 253).


Referências e sugestões adicionais de leitura:
Freire, Paulo (2014), Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Freire, Paulo (2015), Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra. [59.ª ed.]
hooks, bell (2013), Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fonte.


Shirley Aparecida de Miranda é professora associada da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, investigando os temas de Educação, Cultura, Movimentos Sociais e Ações Coletivas. É licenciada em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (Brasil).

 

Como citar

Miranda, Shirley Aparecida de (2019), "Pedagogia do Oprimido", Dicionário Alice. Consultado a 11.12.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/index.php?id=23838&pag=23918&entry=24478&id_lingua=4. ISBN: 978-989-8847-08-9