Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destacado Semanal

The dominant contemporary definition of human rights describes human rights as “rights inherent to all human beings, regardless of race, sex, nationality, ethnicity, language, religion,(...)
Jessica Morris

Destacado Semanal

The dominant contemporary definition of human rights describes human rights as “rights inherent to all human beings, regardless of race, sex, nationality, ethnicity, language, religion,(...)
Jessica Morris

 

 

Rebeldia

Hugo Dias
Publicado em 2019-04-01

Na atualidade não escasseiam as fontes de indignação capazes de alimentar a crítica e uma praxis social que não se resigna a reduzir a realidade ao que existe. De facto, nas últimas duas décadas, assistimos a um crescendo de resistência e de rebeldia que lograram questionar o pensamento único do projeto neoliberal. O sinal de esperança veio do Sul Global - num momento em que no Norte Global o “fim da história” parecia ser uma realidade -, mais concretamente de uma América Latina martirizada pela desigualdade secular. Tornada laboratório das políticas neoliberais durante a década de 1990, foi geradora de experiências de resistência, que procuraram converter o protesto social num projeto político maioritário que ascendeu ao poder em alguns desses países.


Para o primeiro ciclo global de protesto do novo milénio contribuiu tanto a insurreição Zapatista, iniciada a 1 de Janeiro de 1994, como a mobilização contra a Cimeira da Organização Mundial de Comércio em Seattle, a 30 de Novembro de 1999. Posteriormente, o Fórum Social Mundial, cuja primeira edição se realizou em 2001, na cidade brasileira de Porto Alegre, logrou acrescentar ao protesto e à mobilização coletiva a lógica propositiva da Contra-Cimeira.


O eclodir da crise econômica e financeira em 2007/08 contribuiu para intensificar o descontentamento, alimentando um segundo ciclo de protesto global. Embora tenha se verificado um recrudescimento do protesto desde 2006, é no quadriénio 2010-2013 que ele se torna particularmente intenso e espalhado pelos cinco continentes em torno de quatro eixos de reivindicação: justiça económica e anti-austeridade, falhas na representação política e sistemas políticos, justiça global e direitos sociais (Ortiz et al., 2013: 5).


Em dezembro de 2010, o início da Primavera Árabe colocou na agenda a democratização de regimes autoritários. A 12 de março de 2011, a manifestação da “Geração à Rasca” em Portugal exprime de forma incontornável o retorno às questões materialistas e a expressão política do precariado. O 15M, movimento das acampadas e dos indignados, surgido nas praças do Estado Espanhol, produz novas ressignificações. A “geração à rasca” torna-se na “generacion sin futuro” e, em sociedades formalmente democráticas, mas onde o poder político se encontra sequestrado pela ditadura dos mercados financeiros, clama-se por uma “verdadeira democracia já”. “La gente” insurge-se contra a “casta” numa dinâmica replicada por dezenas de cidades europeias. O movimento dos indignados galga o oceano e no dia 17 de setembro de 2011, no Parque Zuccotti, surge o movimento Occupy Wall Street. O discurso contra a “casta” converte-se no “Nós somos os 99%”, que protestam contra as regras da economia que beneficiam apenas o 1% dos mais ricos do mundo.


Estas mobilizações apresentam traços de continuidade mas também de inovação em relação ao período anterior. Verifica-se uma menor coordenação dessas experiências e mais a lógica da ressignificação e do contágio, potenciada pela grande influência da internet e das redes sociais. Ao discurso das desigualdades e direitos sociais acrescenta-se a dimensão do combate às ditaduras políticas tradicionais mas também das ditaduras impessoais dos mercados financeiros. Verifica-se a emergência de novos atores, uma reconfiguração reivindicativa das mobilizações, assim como uma inovação performativa e organizativa. Privilegia a ocupação do espaço público, recorrendo a assembleias e à horizontalidade e com uma metodologia de tomada de decisão assente no consenso não vinculativo. Assume uma dimensão pre-figurativa, ou de “zonas libertadas”, em que se procura experimentar no presente formas alternativas de organização social e de participação democrática. Uma das características fundamentais destes movimentos de rebeldia e de indignação tem sido o predomínio da negatividade sobre a positividade (Santos, 2015). Embora nalguns casos a indignação da maioria social procure se converter numa maioria política transformadora, predomina a capacidade de enunciar o que não se quer, mas uma dificuldade de nomear o projeto alternativo de sociedade ambicionado.


De uma perspetiva das Epistemologias do Sul, “a construção social da rebeldia e, portanto, de subjetividades inconformistas e capazes de indignação é, ela própria, um processo social contextualizado” (Santos, 2000: 33). É a partir da nova experiência social que surgem contributos para a renovação das práticas, da teoria crítica e da reinvenção da emancipação social. Este é um tempo em que, na impossibilidade de uma teoria geral, subsistem no entanto oportunidades para o desenvolvimento de novas perspetivas em que através de um “trabalho de tradução”, seja possível agregar interesses, sujeitos e subjetividades, em dinâmicas de reforço mútuo, sem serem subsumidas a uma lógica primordial e homogeneizadora, num processo sempre inacabado de (re)construção de solidariedades.

 

Referências e sugestões adicionais de leitura:
Ortiz, Isabel; Burke, Sara; Berrada, Mohamed; Cortés, Hernán (2013), World Protests 2006-2013. Initiative for Policy Dialogue and Friedrich-Ebert-Stiftung New York Working Paper 2013.
Santos, Boaventura de Sousa (2000), A Crítica da Razão Indolente: Contra o Desperdício da Experiência. Porto: Afrontamento.
Santos, Boaventura de Sousa (2015), Revueltas de indignación y otras conversas. La Paz.


Hugo Dias é doutorado em Sociologia pela Universidade de Coimbra e Professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Brasil). É investigador do Centro de Estudos Sociais - Núcleo de Estudos sobre Políticas Sociais, Trabalho e Desigualdades - e do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (CESIT) da Universidade Estadual de Campinas.

 

Como citar

Dias, Hugo (2019), "Rebeldia", Dicionário Alice. Consultado a 11.12.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/index.php?id=23838&pag=23918&entry=24510&id_lingua=4. ISBN: 978-989-8847-08-9