Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Weekly Highlight

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

Weekly Highlight

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

 

 

Rede

Sílvia Ferreira
Publicado em 2019-04-01

A rede pode ser vista quer como uma das metáforas das descrições atuais do mundo quer como a forma através da qual o mundo se organiza na atual complexidade. Conceitos de rede são aplicados a múltiplos objetos: nas redes sociais das relações interpessoais, em formas de organização de empresas e ONG distribuídas globalmente, na organização da internet, na governação societal ou nas abordagens ecológicas às relações entre os seres humanos e a natureza.


A orientação epistemológica para as redes tem vindo a sublinhar que a compreensão das suas características e dos seus elementos (pessoas, organizações, etc.) só é possível se se tiver em conta o lugar que estes elementos ocupam nas redes, a densidade e as características dos laços que os ligam. Uma epistemologia de redes assume uma viragem da compreensão do mundo em termos das características dos elementos constituintes, vistos de forma isolada, para a sua interdependência. Ou seja, para o modo como o lugar ocupado nas redes e os conteúdos dos laços e fluxos que circulam (trabalho, dinheiro, discursos, poder, sentimentos, etc.) moldam as características desses elementos e as das redes.


Uma análise das redes a partir de uma posição crítica pode observar, por exemplo, a morfologia das redes e do impacto desta nas diferentes posições de poder e recursos dos atores sociais e o impacto destes na morfologia das redes ou/e as fronteiras e formas de fechamento das redes, sejam elas materiais, cognitivas, normativas, etc., que excluem a possibilidade de circulação de outros atores, ideias ou recursos existentes fora da rede ou em diferentes espaços dentro da rede. Dentro da rede não há um lugar a partir do qual tudo se possa observar e controlar mas também não há uma distribuição totalmente horizontal. Por isso elas são melhor descritas como heterarquias.


A partir das epistemologias do sul as redes podem ser vistas de duas formas. Em primeiro lugar como uma visão do mundo assente na consciência da relacionalidade e interdependência co-constitutiva dos elementos no mundo: seres humanos e natureza, produtores e consumidores, empresas e trabalhadores, cidadãos e estrangeiros, governantes e governados, política e economia, etc., e capaz de perceber criticamente como elementos e categorias se co-constituem e o que se exclui com o modelo de conhecimento cartesiano. Implica também ter presente o modo como o capitalismo se estrutura a partir de várias ficções de separação entre político e económico, o ser humano e a natureza ou o ser humano e o trabalho, entre outras, e perceber os modos como estas ficções se materializam e afetam a realidade, criando vencedores e vencidos, opressores e oprimidos, ao mesmo tempo que ocultam o ato constitutivo destas separações.


Em segundo lugar, as redes são frequentemente forma de organização e coordenação de grupos sociais definidos do outro lado da linha abissal, permitindo possibilidades de articulação e, como tal, capacidade, sendo muitas vezes estrategicamente desenhadas e mantidas como formas organizacionais preferenciais por permitirem simultaneamente a coordenação da ação e a preservação da diversidade e da autonomia. As redes estruturam laços horizontais, permitindo que diferentes elementos da rede colaborem simultaneamente facilitando o recurso a múltiplas competências, conhecimentos e formas de trabalho. A Wikipedia, por exemplo, é coproduzida a partir do trabalho voluntário de pessoas anónimas dispersas por todo o mundo. Na política, a governação democrática em rede coloca em interação uma grande variedade de atores sociais, públicos e das comunidades, diferentes formas de conhecimento e espacialidades e temporalidades diversas. Ela deve ter uma arquitetura que garanta a horizontalidade das relações de poder entre os elementos envolvidos e uma orientação para o bem público ou comum. O orçamento participativo é, em muitos locais, um exemplo de democracia funcionando com base em redes de atores sociais onde comunidades deliberam sobre parte do investimento público local.


É também a rede a morfologia que caracteriza a organização dos movimentos sociais e as suas estratégias de desenvolvimento e articulação. Através da rede é possível colocar em comunicação e ação comum organizações comunitárias, organizações da sociedade civil e outras tão diversas como as que dão forma e sentidos, por exemplo, ao Fórum Social Mundial. Também no âmbito da economia social e solidária e de outras formas de organização da produção e distribuição não capitalistas as redes não só permitem tornar visível o efeito de ficções como as da separação entre produtores e consumidores, como têm o potencial de serem usadas para fortalecem as economias locais e/ou as iniciativas económicas e re-articularem relações isoladas pela dinâmica das economias de mercado capitalistas. Refiram-se, por exemplo, as redes de colaboração solidária que visam a reorganização das cadeias produtivas, ou as estruturas reticulares que organizam as moedas alternativas, os bancos de horas, os clubes de troca, etc.


É importante perceber que as redes não são inerentemente boas. Redes existem que não surgem da auto-organização das comunidades e dos grupos em situação de desvantagem e não têm em vista o bem público ou comum, como as redes terroristas ou as máfias.

 

Referências e sugestões adicionais de leitura:
Mance, Euclides André (2002), Redes de Colaboração Solidária. Petrópolis: Ed. Vozes.
Riles, Annelise (2001), The Network Inside Out. The University of Michigan Press.
Sørensen, Eva; Torfing, Jacob (orgs.) (2007), Theories of Democratic Network Governance. Basingstoke: Palgrave Macmillian.

 

Sílvia Ferreira é doutorada em Sociologia, professora auxiliar na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, investigadora do Centro de Estudos Sociais e do Centro de Estudos Cooperativos e da Economia Social da FEUC.

 

Como citar

Ferreira, Sílvia (2019), "Rede", Dicionário Alice. Consultado a 17.10.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/index.php?id=23838&pag=23918&entry=24514&id_lingua=2. ISBN: 978-989-8847-08-9