Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

Destaque Semanal

Longe de se identificarem com qualquer atributo natural (acaso de nascimento ou incapacidade pessoal), as situações de pobreza são marcadamente um produto social, no sentido em que(...)
Pedro Hespanha

 

 

Regulação Social

Sílvia Ferreira
Publicado em 2019-04-01

A regulação social tanto pode ser encarada como um papel desempenhado sobretudo pelas agências estatais na definição de normas e regras que regulam o comportamento dos atores sociais e das sociedades como, de forma mais lata, a definição de normas que organizam as relações sociais. Outros conceitos próximos são, por exemplo, o de coordenação e o de governação. Trata-se, sobretudo, de tentar perceber como é que a ordem é possível nas sociedades.


Na modernidade ocidental a regulação sustenta-se em três princípios, o Estado, o mercado e a comunidade. Cada um destes princípios da regulação está privilegiadamente em articulação com uma forma de racionalidade do pilar da emancipação - estético-expressiva, moral-prática e cognitivo-instrumental (Santos, 1991). Na comunidade as normas de regulação incluem o altruísmo, a solidariedade e a reciprocidade. O Estado possui poder de coerção e comando e assume-se como garante de um interesse geral e direitos de cidadania. O mercado organiza as relações sociais com base na troca competitiva, na autonomia, liberdade e atomização. Estes princípios têm as suas organizações e instituições privilegiadas, atores sociais, normas, práticas, etc. Na modernidade ocidental a regulação societal resulta de combinações distintas destes três pilares, variando em termos de tempo e espaço. A teoria crítica identifica os desequilíbrios com o hiperdesenvolvimento da racionalidade cognitivo-instrumental, o “colapso da emancipação na regulação” e a sobreposição dos princípios do Estado e do mercado ao da comunidade (Santos, 2005).


Desde a década de 1990 que se propõe a governação em rede (ou nova governação, ou governança) como o novo paradigma da regulação social estruturando articulações entre os três princípios – suas organizações, práticas, normas e racionalidades. Presume-se a ultrapassagem dos paradigmas de regulação dominados pelo comando Estatal e pela regulação mercantil que marcou os períodos do Estado-Providência e desenvolvimentista e o Estado neoliberal, ultrapassando assim os seus fracassos.


Nas discussões sobre a nova regulação societal enfatiza-se frequentemente que estamos perante a diluição das fronteiras criadas na modernidade entre a regulação do Estado, do mercado e da comunidade surgindo, por isso, híbridos que combinam elementos. Todavia, Santos (2005) identifica silêncios relativamente a ideias que estavam presentes nos paradigmas de regulação anteriores como: transformações sociais, participação popular, contrato social, justiça social, relações de poder, ou conflitualidade social e, em lugar destes, resolução de problemas, interesses reconhecidos, autorregulação, jogos de soma positiva e políticas compensatórias, coordenação e parcerias, coesão social e estabilidade. Estas ideias moldam os espaços desta nova regulação a partir da meta-regulação, a regulação da regulação. A teoria crítica identifica, ao nível da meta-regulação, a prevalência da racionalidade técnico-científica acoplada com o princípio do Estado, ele próprio colonizado pelo princípio do mercado, ambos colonizando o princípio da comunidade.


O paradigma da complexidade inverteu o pressuposto ontológico da ciência moderna de um mundo inerentemente caótico para um mundo suscetível de auto-organização. O movimento epistemológico deixa de ser do caos para a ordem e passa a ser da ordem para o caos para abrir o mundo a todas as suas possibilidades. No pilar da regulação pelo mercado e da sua articulação com a racionalidade instrumental esta ideia foi incorporada como princípio de (auto)organização, por exemplo, para gerar inovação, flexibilidade e mudança permanente. Todavia emerge o impacto desta regulação no mundo da vida: a “destruição criativa”, pugnada por Schumpeter, gera precaridade, desigualdade e pobreza.


A partir de uma Epistemologia do Sul observa-se também da ordem para o caos mas a partir do outro lado da linha abissal. Interroga-se, tal como no paradigma da complexidade, como é que se dá a eliminação de todas as potencialidades do mundo? A expressão e o conhecimento dessas possibilidades não têm um único ponto de origem mas sim uma multiplicidade infinita que nasce desse excesso em cada momento e lugar, a partir da própria atualização da regulação mercantil. A ordem e o caos são, assim, co-constitutivos – cada ato de ordenação pode ser visto por outros observadores, os quais trazem para o espaço visível o que se exclui e se oculta. A sociologia das ausências propõe este olhar (Santos, 2002) no campo da racionalidade cognitivo-instrumental, tal como a arte o faz no campo da racionalidade estético-expressiva.


A regulação na modernidade ocidental, seja a que se estruturou a partir do domínio do princípio do Estado ou a que se estrutura atualmente a partir da ideia da combinação dos três princípios na nova governação sob a égide do mercado e da racionalidade cognitivo-instrumental, criou um excesso que é indicado na emergência de iniciativas individuais e coletivas e movimentos sociais com propostas alternativas no campo da política e da economia. O ponto de partida destes movimentos é o princípio regulatório da comunidade (Santos, 2005) em articulação com as diversas racionalidades do pilar da emancipação, estético-expressiva, moral-prática e cognitivo-instrumental. A partir da racionalidade moral-prática, por exemplo, desenham-se iniciativas, organizações e práticas que não esgotam, elas próprias, todas as possibilidades do mundo, mas são expressão e condição de existência do mundo da vida.

 

Referências e sugestões adicionais de leitura:
Santos, Boaventura de Sousa (1991), "Subjectividade, Cidadania e Emancipação", Revista Crítica de Ciências Sociais, 32, 135-191.
Santos, Boaventura de Sousa (2002), “Para uma Sociologia das Ausências e uma Sociologia das Emergências”, Revista Crítica de Ciências Sociais, 63, 237-280.
Santos, Boaventura de Sousa (2005), "A crítica da governação neoliberal: O Fórum Social Mundial como política e legalidade cosmopolita subalterna", Revista Crítica de Ciências Sociais, 72, 7-44.

 

Sílvia Ferreira é doutorada em Sociologia, professora auxiliar na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, investigadora do Centro de Estudos Sociais e do Centro de Estudos Cooperativos e da Economia Social da FEUC.

 

Como citar

Ferreira, Sílvia (2019), "Regulação Social", Dicionário Alice. Consultado a 17.10.19, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/index.php?id=23838&pag=23918&entry=24520&id_lingua=1. ISBN: 978-989-8847-08-9