Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Weekly Highlight

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Weekly Highlight

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

 

 

Geopolítica do DNA

Helena Machado
Publicado em 2019-04-01

O DNA é uma estrutura biológica tida como única em cada indivíduo. O pressuposto teórico da unicidade genética tem vindo a transformar o DNA, nas sociedades ocidentais modernas, numa espécie de insígnia da essência humana. O seu potencial de individualização tem alimentado estratégias estatais de governabilidade, vigilância e controlo de determinados indivíduos e populações. Estas práticas de biopoder, assentes em relações entre identificação genética, previsão e corporeidade, sustentam-se em retóricas de celebrização da eficiência e infalibilidade da ciência e tecnologia que reduzem o espaço para vozes dissonantes e críticas, que não materializam valores e ideologias da ordem social dominante.

 

A capacidade da tecnologia de DNA em alcançar a heterogeneidade intra-individual serve múltiplos propósitos: desde a pesquisa científica, intervenção na condição humana no campo da saúde e medicina, à identificação de indivíduos com finalidades civis (vítimas de catástrofes, desaparecidos, estabelecimento de laços de parentesco) e criminais (suspeitos e de vítimas de crimes). Os usos societais do DNA surgem assim inscritos numa tendência alargada de “genetização” da vida social, cultural, política, legal, biomédica e tecnocientífica (Lemke, 2011). Neste contexto de dominação paradigmática da ciência moderna, regulação, ordem e progresso desenrolam-se sob a égide do primado princípio do mercado,  da globalização e da transnacionalização, com consequências complexas para a emancipação social e os direitos humanos (Santos, 1995).

 

Desde sempre que o corpo humano foi usado para classificar, moral e politicamente, indivíduos, grupos e populações – pela cor da pele, género, aparência física e linguagem corporal. O que o DNA tem de novidade é possibilitar um método de identificação humana que reduz radicalmente as possibilidades de negociação e de resistência.  Por um lado, representa a promessa de um maior grau de certeza e fiabilidade relativamente a outras formas de identificação. Por outro lado, a tecnologia de DNA ajusta-se, pela sua portabilidade e expressividade em linguagem digital e numérica, a contextos atuais de expansão massiva de bases de dados de informação e de novas redes de vigilância tecnológica. O DNA representa, por isso, uma forma de controlo tecnológico baseada no conhecimento da individualidade biológica e na imbricação entre suspeição e culturas de objetividade, com profundas implicações para a organização social, os direitos de cidadania e as dinâmicas da democracia nas sociedades atuais.

 

A geopolítica do DNA apresenta configurações diversas, mas interrelacionadas. Em primeiro lugar, as bases de dados de DNA de maior dimensão e sofisticação concentram-se em países ricos e tecnologicamente avançados. Contudo, forças políticas associadas quer ao neoliberalismo, quer a ideologias securitárias, têm vindo a impor a países com menos recursos económicos e científicos, e com distintos modelos regulatórios, legislativos e organizacionais, a obrigatoriedade de implementação de bases de dados genéticos forenses. Um exemplo dessa tendência é o facto da União Europeia ter criado um sistema transnacional para partilha automatizada de informação genética forense (Decisões Prüm – 2008/615/JHA e 2008/616/JHA) com vista a prevenir e combater a criminalidade organizada e transfronteiriça, o terrorismo e a imigração ilegal. Essa legislação europeia obriga a que os Estados Membros que não tenham uma base de dados genéticos forense de base nacional a estabeleçam. Nos Estados Unidos, o FBI adotou um sistema similar, recebendo informação genética de países de todo o mundo, com finalidades de identificação criminal e vigilância de indivíduos e grupos considerados “suspeitos”.

 

Um segundo aspeto que ilustra a dimensão geopolítica do DNA diz respeito à composição populacional representada nas bases de dados genéticos. Enquanto que as bases genéticas que servem finalidades de investigação científica para a cura e terapia de doenças comportam, sobretudo, populações brancas; as bases genéticas forenses apresentam uma sobrerrepresentação de indivíduos de determinados grupos étnicos e de certas nacionalidades. Este fenómeno reflete as práticas discriminatórias e a seletividade social estigmatizante do sistema de justiça criminal e penitenciário.

 

Por fim, a geopolítica do DNA surge dissimulada sob o véu da neutralidade da ciência na função de  reproduzir e legitimar desigualdades sociais, que facilmente tendem a ser explicadas como diferenças biológicas e naturais. Recentes desenvolvimentos de tecnologias de DNA que permitem inferir a aparência física através de material genético, e discernir marcadores de ancestralidade biogeográfica, tecem uma teia complexa e ambígua de relações entre mecanismos institucionais de controlo, vigilância e categorização de populações criminalizadas. Existem assim riscos de re-emergência das ideias biológicas e genéticas de etnia e raça relativamente à manifestação da criminalidade (Duster, 2003), ancorados em modalidades nomológicas deterministas. Neste contexto, a autoridade epistémica da genética tende a ler diferenças sociais e políticas como diferenças biológicas, ao mesmo tempo que comprime ou limita direitos humanos como a liberdade, privacidade, autodeterminação informacional, não discriminação com base em informação genética, presunção de inocência e igualdade.

 


Referências e sugestões adicionais de leitura:

Duster, Troy (2003), Backdoor to Eugenics. New York: New York University Press.

Lemke, Thomas (2011), Bio-politics. An Advanced Introduction. New York: New York University Press.

Santos, Boaventura de Sousa (1995), Toward a New Common Sense. Law, Science and Politics in the Paradigmatic Transition. London: Routledge.

 


Helena Machado, Professora Catedrática em Sociologia no Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho. Investigadora no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS). Especialista em questões éticas, sociais e políticas associadas a usos de genética forense na identificação criminal.  A sua investigação é apoiada pelo Conselho Europeu de Investigação.

 

 

Como citar

Machado, Helena (2019), "Geopolítica do DNA", Dicionário Alice. Consultado a 18.09.20, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=2&entry=24291. ISBN: 978-989-8847-08-9