Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destacado Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Destacado Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

 

 

Ecologia Política

Ailton Krenak, Felipe Milanez
Publicado em 2019-04-01

A palavra ecologia é aplicada a um conjunto que constitui referências sobre um determinado lugar. Ecologia, para quem vive em uma floresta, é a floresta viva, respirando e inspirando; é o complexo que dá suporte à cultura e à vida material. Ecologia pressupõe gente e presença, envolve coletivos, e é política pela resistência à separação que funda o capitalismo/colonialismo, que desmembra o humano da relação com o lugar como suporte da vida, que constrói a individualização e rompe o coletivo.

 

Gente, lugar e jeito de estar compõe um todo. A violência corta esse comum por uma erupção externa sobre os sujeitos coletivos e atinge o lugar. A separação do suporte de vida/lugar atinge pessoas e Natureza: desmembra, desterra. Um rio, uma floresta, uma montanha, uma geleira, separados violentamente do coletivo humano põe fim ao modo de viver. Esse distúrbio cria desequilíbrio e doenças, libera uma condição que Davi Kopenawa, um xamã Yanomami, denomina de xawara. Essa potência/doença está contida em um lugar em equilíbrio, quando liberada, como através da intervenção violenta do capital/colonial, emana estados de doenças que se manifestam no corpo das pessoas como enfermidades.

 

A violência que separa as pessoas da Natureza forja a ideia da Natureza isolada, um desequilíbrio ecológico e um ambiente pela metade. Ecologia é uma ideia que nasce no Norte e é colada como uma carapaça nos povos do Sul. Aprendi com os antepassados que a Terra é como o nosso organismo/corpo: tem órgãos com funções, tem coração, é sensível e precisa descansar. Uma possível correspondência à ideia hegemônica de ecologia pode ser traduzida como o lugar onde a terra descansa.

 

Mas como descreve Frantz Fanon, a violência colonial do capital que separa o sujeito coletivo do seu lugar de existência opera em três dimensões: esvazia de substância o passado, impõe um cotidiano de sofrimento, a xawara descrita pelos Yanomami, e aniquila a perspectiva de futuro. Organiza o mundo em relações assimétricas de poder: despossessa e nos coloca na condição de miseráveis e pobres.

 

Essa separação do sujeito com o lugar/ecossistema para a apropriação da Natureza constrói um lugar do outro e um não-lugar do saque, uma divisão abissal que marca o mundo, como observa Boaventura de Sousa Santos. O lugar de poder tem mobilidade, e ao mesmo tempo em que exaure uma paisagem, produz um outro lugar para si: divórcio da Natureza/existência consiste em não precisar estar em lugar nenhum. O capital apropria uma paisagem e (des)constrói espaços e pessoas descartáveis.

 

Brasil é um nome originado no saque de uma madeira. Minas Gerais vem do saque ao minério, e construiu uma identidade garimpeira. Ser mineiro é uma palavra agressiva aos Krenak e sempre tivemos dificuldades de nos vermos nessa identidade em razão de nosso território estar localizado onde hoje é esse estado brasileiro. Tirar uma montanha do lugar e transforma-la em um farelo e transportar para outro lugar fabrica uma cultura garimpeira que alimenta o espírito hostil à paisagem da existência. Pessoas que vivem a ver o farelo ser despachado para o não-lugar e agentes que saíram desse meio podem ser capazes de justificar a morte de um rio ou o aplainar de montanha como um imperativo do desenvolvimento local. A epistemologia do saque, como uma mentalidade garimpeira, faz com que do meio das comunidades despojadas e expropriadas saiam sujeitos que sejam capazes de reproduzir a violência, e integrem essas práticas como ferramenta do projeto capital/colonial: não só alimentam esse processo, como o justificam e o legitimam em um processo de contra-tradução. Pertencer é uma forma de resistir a esse ciclo oprimido/opressor.

 

Estar vivo é fazer esse movimento de entrar e sair desse grande lugar/organismo que é vivo e descansa. Somos sangue, oxigênio, brisa, potência; em alguns momentos pragas. Vivemos nesse organismo que precisa ter lugares de descanso. Como um do in é uma acupuntura, podemos encontrar certos pontos onde cantamos e dançamos para curar a Terra.

 

A Terra como lugar sagrado/espiritual é concepção comum nas Epistemologias do Sul. Se o lugar é sagrado, é porque a gente evoca uma ideia que transcende a Natureza em sua percepção como recurso e alcança uma dimensão da co-existência. O sujeito coletivo que pertence ao lugar é uma oposição epistêmica ao sentido capitalista/colonialista de que o lugar pertence ao indivíduo. Os Kaiowá Guarani, na força de sua sensação de pertencimento, comem a terra em revolta. Dizem que não saem da terra porque a terra não pertence a eles; mas eles pertencem ao lugar/terra. É diferente de alguém que pode mudar de lugar: para eles não há outro lugar. O indígena que pertence à Terra enfrenta em uma ecologia política a espoliação da sua co-existência com a Natureza.

 


Referências e sugestões adicionais de leitura:

Kopenawa, Davi e Albert, Bruce. (2015), A Queda do Céu. São Paulo: Cia das Letras

Krenak, Ailton. (2000), O Lugar Onde a Terra Descansa. Rio de Janeiro: EcoRio

 


Ailton Krenak, da etnia Krenak, originários da região do leste de Minas Gerais, bacia do Rio Doce - devastado pela extração mineradora. Escritor e ativista dos direitos dos povos indígenas.

 

Felipe Milanez, Doutor em Democracia no Século XXI pelo Centro de Estudos Sociais e Professor de Humanidades na Universidade Federal da Bahia. Ecologista político, integra o Grupo de Trabalho em Ecologia Política, do Clacso.


 

Como citar

Krenak, Ailton; Milanez, Felipe (2019), "Ecologia Política", Dicionário Alice. Consultado a 26.09.20, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=4&entry=24271. ISBN: 978-989-8847-08-9