Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Destaque Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Sobre

O Dicionário ALICE desafia-nos a explorar a diversidade epistemológica e cultural do mundo e a possibilidade de um pensamento crítico contemporâneo comprometido com os processos de reinvenção da emancipação social levados a cabo a partir de práticas concretas em contextos específicos. Neste sentido, conta com a contribuição de um amplo conjunto de colaboradores/as, académicos/as, artistas, escritores/as e/ou ativistas, provenientes de diferentes países e de variados campos de investigação e atuação. Este dicionário representa um processo de construção coletiva de um conhecimento que aspira contribuir para o processo de reconstrução de um mundo onde caibam muitos mundos, evitando a simplificação do complexo, a redução do diverso ao uniforme e, consequentemente, a universalização metonímica do local. Em sintonia com a filosofia de base das Epistemologias do Sul, o dicionário tem como principal objetivo captar, a partir do diálogo intercultural e interpolítico, da ecologia de saberes, a complexidade e a riqueza epistémica do Sul global desafiando as leituras hegemónicas e monoculturais do mundo.


O Dicionário ALICE assume o desafio de desconstruir as imagens distorcidas e estranhas que os espelhos coloniais (re)produzem, para reconhecer e valorizar a multiplicidade de originais que subjazem nas imagens refletidas. Este Dicionário pretende ampliar as possibilidades de conhecer o mundo mais além das normas e hábitos mentais que dificultam pensar e atuar de outro modo, avançando para modos de pensamento e ação alternativos baseados em quatro ideias fundamentais: 1) a diversidade epistémica do mundo é infinita e nenhuma teoria geral consegue dar conta desta diversidade; 2) a compreensão do mundo excede a compreensão eurocêntrica do mundo; 3) não há falta de alternativas no mundo; o que faz falta é uma teoria alternativa de alternativas, expressa através da ecologia de saberes, combinada com a tradução interpolítica e intercultural; 4) não pode haver justiça social global sem justiça cognitiva (Santos, 2018). Como várias entradas apontam, a transformação social, política e institucional no Norte global pode beneficiar-se das tradições de conhecimento e das inovações que se produzem nas regiões e países dos quais o Norte é cada vez mais interdependente. Neste sentido, este dicionário não pode realizar-se com um enfoque convencional. A sua especificidade, pelo contrário, consiste em ser um projeto epistémico-político que, sem renunciar ao rigor e a objetividade da análise, procura estar ao serviço de práticas contra-hegemónicas que merecem respeito e devem ganhar credibilidade: saberes não científicos, epistemologias subalternas, práticas sociais e projetos políticos ignorados e oprimidos pelo capitalismo, o heteropatriarcado e o colonialismo.


O Dicionário ALICE é um instrumento potencializador do pensamento crítico e emancipador, o que, desde os parâmetros das Epistemologias do Sul, implica a exigência epistemológica e metodológica de “aprender a partir do Sul e com o Sul” (Santos, 1995: 508). Assim, a contribuição do Dicionário à ampliação das possibilidades de conhecer o mundo é dupla. Por um lado, pretende ajudar a visibilizar e credibilizar experiências de construção de conhecimento a partir das lutas sociais e populares desenvolvidas no Sul global; por outro, e ao mesmo tempo, busca revelar as contradições, limites e possibilidades de tradução, articulação e enriquecimento mútuo entre estas experiências de conhecimento que lutam por outros mundos possíveis, mostrando alternativas às atuais tendências à injustiça social global e ao desenvolvimento insustentável que se verificam no Norte global, sob o domínio da globalização neoliberal.

 


O Dicionário ALICE é uma publicação que se insere nos resultados do projeto - ALICE Espelhos estranhos, lições imprevistas: definindo para a Europa um novo modo de partilhar as experiências do mundo, coordenado por Boaventura de Sousa Santos, e recebeu fundos do Conselho Europeu de Investigação, 7.º Programa Quadro da União Europeia (FP/2007-2013) / ERC Grant Agreement n. [269807].


Santos, Boaventura de Sousa (1995), Toward a New Common Sense. Law, Science and Politics in the Paradigmatic Transition. New York: Routledge.

Santos, Boaventura de Sousa (2018). The End of Cognitive Empire: The coming of age of the epistemologies of the South. Durham, NC: Duke University Press.