Mário Vitória (2013) A liberdade comovendo o povo [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Mensal

Karingana Wa Karingana, Judite Mutote (1)
Isabel Casimiro

Destaque Semanal

Karingana Wa Karingana, Judite Mutote (1)
Isabel Casimiro

 

 

Marielle Franco

Teresa Cunha, Agnes Arruda, Luísa de Pinho Valle, Vânia Cordeiro
Publicado em 2020-01-23

Ninguém solta a mão de ninguém, Marielle!

 

Ilustração: Zeilton Mattos (2019) Marielle [Acrílico sobre tela, 60x50cm]

 

Marielle Franco assumia-se como uma mulher negra, lésbica e favelada. Nasceu e cresceu no Complexo da Maré, uma favela da zona norte do Rio de Janeiro e foi ali, e a partir dali, que sentiu e viveu todo o tipo de violações e violências que fazem parte do quotidiano daquela comunidade. Foi através do espaço e da experiência na Maré que ela forjou a sua própria história pelo direito de ser, por inteiro, essa mulher negra, favelada e lésbica em uma sociedade onde tudo isso significa o não-ser, o abandono, a tristeza, a crueldade, o sofrimento, a discriminação e a morte. Marielle, no entanto, foi além e decidiu ir à luta pela dignidade de si e da vida de todas as gentes. Essa luta em que ninguém solta a mão de ninguém.


A ativista conheceu e enfrentou os problemas sociais das favelas e das periferias do Rio de Janeiro, bem como combateu a normalização da brutalidade e da agressão. Para ela, a paz e a segurança nunca poderiam advir nem dos grupos paramilitares, nem das políticas de segurança da Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro. Os primeiros, milícias armadas, impõem o seu regime de terror e atuam na exploração clandestina e centralizada de inúmeros serviços, tais como: gás, televisão a cabo, crédito pessoal, imóveis, e na imposição de proteção/segurança para as/os moradoras/es da favela sob a contraprestação de uma taxa de proteção. As segundas, são sustentadas na militarização policial e na ocupação territorial sob um modelo de operações para a implementação daquilo que foi chamado de ‘pacificação’. As UPPs, Unidades de Polícia Pacificadora, têm como objetivo instituir polícias comunitárias nas favelas com o argumento de, com isso, desarticular quadrilhas e milícias1.


O título que Marielle Franco deu à sua dissertação de mestrado2, ‘UPP – A redução da favela a três letras: uma análise da política de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro’, já demonstrava o compromisso com o seu território e as suas gentes, assim como anunciava a sua análise sobre as dramáticas consequências dessas políticas de segurança. Ela mesma afirmou em seu trabalho que as UPPs foram um modelo importado e, em cujas veias, corre sangue colombiano; isso porque governadores do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, Aécio Neves, de Minas Gerais e, Geraldo Alckmim, de São Paulo, foram à Colômbia conhecer a experiência daquele país e decidiram fazer do Rio de Janeiro um laboratório dessa política interna de segurança (Franco, 2014: 67). O resultado, no seu entendimento, foi a proliferação do discurso da ‘insegurança social’ e a aplicação de uma política voltada para repressão e controle das/os pobres e pretas/os. Com este estudo e a sua divulgação, Marielle aproximava-se, perigosamente, de um mundo de ameaças, assassinatos e corrupção e da identificação de muitos dos seus protagonistas e objetivos criminosos.


Ao contrário, Marielle, que conhecia a realidade das favelas do Rio, sabia que a paz só pode ser construída quando se respeitam as comunidades e a sua capacidade de pensar e transformar-se. Ela afirmava que para além da discriminação socioespacial, as favelas são comunidades onde nascem e se desenvolvem movimentos sociais, instituições e organizações civis que abraçam milhares de moradoras/es em projetos educacionais, culturais, desportivos e em ações políticas. Sem ignorar a tensão desses processos, do enfrentamento com o Estado e das contradições e problemas presentes na vida das favelas, ela chama à atenção que:

 

Mesmo marcada por níveis elevados de subemprego e de informalidade nas relações de trabalho, baixo grau de soberania frente ao conjunto da cidade, fraco investimento social e outros problemas da mesma ordem, a favela acaba por apresentar uma vida, ações e perspectivas que a coloca, em determinados momentos ou circunstâncias, como uma das protagonistas no desenvolvimento da própria cidade. (Franco, 2014: 61)

 

Desde cedo ela levou uma vida de militância pela sua comunidade e pelas causas LGBT. Porém, a sua vida pública iniciou-se, de maneira oficial, em 2006 quando exerceu o cargo de assessora do então candidato a Deputado Estadual pelo Rio de Janeiro, Marcelo Freixo, hoje, Deputado Federal, pelo mesmo Estado. Coordenou durante mais de 10 anos a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Nos agradecimentos que publicou em sua dissertação, fala da sala e da equipa onde funcionava a Comissão e, neles, mostra que mesmo sendo difícil era, ao mesmo tempo, um desafio querido, alimentado e levado para a frente com muitas mãos e muita convicção partilhada:


[N]a sala da Comissão de DH, lugar frio e sem luz do dia, mas que nos últimos anos aquece o coração a cada sexta-feira de grupo de trabalho.


Durante esse período, ela garantiu a familiares das vítimas de violência policial, incluindo os próprios policiais, o acesso aos auxílios jurídico e psicológico necessários em situações de violência e crise, bem como desenvolveu muitas outras atividades de relevo, em especial pela desmilitarização da sociedade e por uma vida digna e segura para todas e todos.

 

Também foi Vereadora eleita, em 2016, na cidade do Rio de Janeiro. Para muitas pessoas, foi com essa eleição que a sua força ficou visível. Com 46 mil votos, ela foi a segunda mulher mais votada daquele pleito, a quinta entre todas as 51 cadeiras ocupadas na Câmara Municipal3. Marielle continuou empenhada em políticas de não-discriminação em favor daquelas/es que mais precisavam. Serviu os seus ideais e a sua visão política de mundo, ao presidir à Comissão de Defesa da Mulher e ao integrar uma comissão de monitoramento à intervenção federal no Rio de Janeiro, da qual era extremamente crítica4. Sabia que a alteração proposta na autonomia do Estado, com o objetivo de amenizar a crise na segurança, teria um efeito amplificado daquilo que foi gerado anteriormente pelas UPPs. Mais uma vez, pelo seu profundo conhecimento da realidade e das políticas que estavam em causa, aproximava-se de um perigo que enfrentou com coragem.


Em entrevista concedida em maio de 2017, ela dizia que a ‘Casa’, como ela chamava a Assembleia Legislativa, é de todas e de todos!

 

A Casa é de todas/os! Ter este espaço, é garantia de que o outro mundo de fato é possível, como falamos tanto no ano passado durante as eleições e se concretizou como a segunda maior bancada, com uma mulher que era só favelada e agora é favelada e vereadora, então que possamos estar juntos, eu fiscalizando o executivo e vocês me fiscalizando, porque acho que é com isso que nós avançamos.

 

Marielle apresentou na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro vinte Projetos de Lei, dois deles aprovados. Ela conseguiu a regulação do serviço de mototaxi, bem como propor a construção de Casas de Parto com vista a proporcionar às mulheres da periferia espaços seguros para partos naturais e humanizados5.


A voz de Marielle não se resignava nem se desvanecia mesmo quando a batalha era desigual. Ouvia-se no Plenário da Câmara ressoando todos os sofrimentos, todas as lutas que as mulheres travam e travarão nas suas vidas. Por isso, muitas das suas palavras tinham mais sentido do que teriam discursos de circunstância. A irreverência e a convicção atravessavam-nas, poderosamente, como estas que foram proferidas no dia 8 de Março de 2018 dirigidas àqueles que a queriam interromper:

 

Não serei interrompida! Não aturo ‘interrompimento’ dos vereadores desta Casa e não aturarei um cidadão que vem aqui e não sabe ouvir a posição de uma mulher eleita e presidente de comissão.

 

Sempre coerente com o seu modo de ser e viver, no seu último discurso no Plenário da Câmara, em Março de 2018, ela afirmou (G1Rio, 2018):

 

As mulheres negras, por exemplo, quando passam na rua, ainda ouvem homens que têm a ousadia de falar do quadril largo, das nádegas grandes, do corpo, como se a gente estivesse no período de escravidão. Não estamos, querido! Nós estamos no processo democrático! Vai ter que aturar mulher negra, trans, lésbica, ocupando a diversidade dos espaços.

 

Brutalmente assassinada, Marielle teve sua morte encomendada por aqueles que quiseram deliberadamente a silenciar, mas sua voz ecoa em gestos e ações de muitos. E nós estamos incluídas nessa multidão, que continua o grito e o canto do samba enredo da Estação Primeira de Mangueira de 2019:

 

Deixa eu te contar
A história que a história não conta
O avesso do mesmo lugar
Na luta é que a gente se encontra (...)
Chegou a vez de ouvir as Marias, Mahins, Marielles, Malês.

 

Para nós, ela representa uma dessas pessoas a que chamamos mestras do mundo: de quem não se pode prescindir, que é essencial para a nossa existência. Dizemos representa, no presente, porque continua sendo signo de luta, força e resistência contra várias opressões. Dizemos representa, porque além do seu corpo físico ela pertence a um corpo coletivo feito de muitos recortes e costuras de muitas mulheres, muitas Marias, Mahins, Marielles, Malês que se abraçam e se sentem identificadas com a sua garra e as suas bandeiras de luta. Para nós, a vida e voz de Marielle despertam emoção e é, também por isso, que a vemos como uma mestra. Porque a emoção e o amor são formas sublimes de estar e transformar o mundo, de si, e de todas e todos que partilham a nossa casa comum. E ela nunca renunciou à política onde a emoção e o amor têm lugar.


Mais do que isso, o legado de Marielle continua com a eleição em 2018 de quatro de suas colegas de luta e de partido político para a Câmara dos Deputados e para a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Elas assumiram a missão dar continuidade à pauta de defesa dos direitos humanos, contra o machismo, o racismo e a LGBTfobia6.


Nós que afirmamos que Marielle Fanco é uma mestra do mundo, somos oito mãos de mulheres, cada uma com sua experiência, sua vivência, a sua nacionalidade juntas no reconhecimento, respeito e admiração por esta Marielle Franco. Com ela somos irmãs de tantas outras negras, lésbicas, faveladas, roxas de raiva, brancas de medo, vermelhas de paixão, que amam sem preconceitos e que acreditam que fazer política é essencialmente acabar com todas as favelas do mundo, as construídas e as que estão por construir. A partir do exemplo de Marielle Franco nos juntamos e queremos, neste livro que agora se inicia, Mestras e Mestres do mundo: Coragem e Sabedoria, ser terreno, matriz e uma mátria de resistência e força.


As palavras são ação; as palavras comprometem e são compromisso. E é com estas palavras que abrimos o caminho que iremos fazer, caminhando, ao som dessa voz tão forte, mas tão forte que rompe e desestrutura. Neste momento, em que máquinas do fascismo, do medo e do ódio se multiplicam, aprendemos com Marielle a resistir e a construir engenhos de democracia, de solidariedade, de esperança e de afetos. Por isso, é tão importante a memória que aqui queremos alimentar. Para além da singularidade do metarrelato da história oficial o mais importante, a nosso ver, são a diversidade das pequenas histórias, já que é com essas que elaboramos versões de nós mesmas e nós mesmos e do nosso coletivo, como naquele conto do mercador de recordações7. Por isso, não basta dizer quem matou Marielle; o que é necessário é saber por quê foi morta Marielle e quem se beneficiou com a sua morte.


Esta é a nossa assumida missão aprendida com a mestra, celebrada todos os dias na maestria dos seus ensinamentos. Ninguém solta a mão de ninguém, Marielle!

 

 

1 Informações consultadas e retiradas do site www.upprj.com. Acesso em 6 de Fevereiro de 2019.

2 Dissertação em Administração pela Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo da Universidade Fluminense do Rio de Janeiro, 2014.

3 Informações consultadas e retiradas do site: http://www.camara.rj.gov.br/. Acesso em 6 de Fevereiro de 2019.

4 Diário Oficial da União com a publicação referente à intervenção federal no Rio disponível no site:  www.imprensaoficial.gov.br. Acesso em 6 de Fevereiro de 2019.

5 Informações consultadas e retiradas do site http://www.camara.rj.gov.br/. Acesso em 6 de fevereiro de 2019.

6 BETIM, Felipe. ‘’As ‘outras’ Marielles que o Rio elegeu’’. In El País. 12 de outubro de 2018. Disponível em:

https://brasil.elpais.com/brasil/2018/10/11/politica/1539275009_606211.html.

7 Ver o trabalho de Natália Sanchez Corrales ‘Cartografías en acción de la educación por la paz’, Bogotá, Universidade UNIANDES, 2018 (tese de doutoramento).

 

 

Referências

Franco, Marielle (2014) UPP – A redução da favela a três letras: uma análise da política de segurança pública do estado do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado em Administração Pública, do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo, da Universidade Federal Fluminense.

Franco, Marielle (2017) "Mulheres na Política - Marielle Franco". Revista Subjetiva, maio-17-2017.

G1 Rio (2018) "Em mandato na Câmara, Marielle Franco defendeu minorias". Publicado em 15 de março de 2018.

 

 

Como citar

Cunha, Teresa; Arruda, Agnes; Valle, Luísa de Pinho; Cordeiro, Vânia (2019), "Marielle Franco", Mestras e Mestres do Mundo: Coragem e Sabedoria. Consultado a 02.06.20, em https://alice.ces.uc.pt/mestrxs/?id=27696&pag=23918&id_lingua=1&entry=28017. ISBN: 978-989-8847-08-9