Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Destaque Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

 

 

Tradição

Tiago Pires Marques
Publicado em 2019-04-02

Para um certo senso-comum típico das sociedades ocidentais, a tradição é a parte da vida social – práticas, rituais, textos, imagens – que se transmite, de forma espontânea e mais ou menos imutável, de geração em geração. Nestas sociedades, a tradição é contraposta ao progresso, formando, com esta categoria, uma polaridade estruturante de imaginários político-sociais e epistémicos com forte impacto nas identidades e nas formas de ação. Nas sociedades que se pensam como “modernas”, a tradição é o polo negativo e o progresso o polo positivo. Em torno do polo da “tradição” agrupam-se as representações relativas ao passado, por oposição ao presente e ao futuro; ao coletivo, por oposição ao individual; e ao inconsciente e emocional, por oposição ao consciente e racional (Shils, 1981). A tradição surge, assim, como o outro da “Razão” do Iluminismo e da modernidade. 


Uma das mais graves consequências históricas desta polaridade tem consistido na legitimação do colonialismo e do neocolonialismo: as sociedades “modernas” teriam a missão histórica de levar o “progresso” às sociedades “tradicionais” (bárbaras, supersticiosas, atrasadas). À dinâmica tendente a substituir uma tradicionalidade suposta por uma ideia monolítica de modernidade, têm respondido, aquém e além das linhas abissais da colonização, movimentos identitários legitimados por tradições. Nas sociedades do Norte e da semi-periferia desestabilizadas pelos processos de modernização, estes movimentos deram origem a formas estatais e sociais de fascismo, fundamentalismos religiosos e a diversas formas de fechamento identitário. No Sul Global, têm surgido, igualmente, dinâmicas de rigidificação cultural e normativa, invocando a autoridade de uma “tradição” que se assume frequentemente como religiosa (Santos, 2014).


A crítica do par tradição/progresso conta-se, pois, entre as tarefas culturalmente mais significativas e politicamente mais urgentes das ciências sociais. Duas observações podem servir de ponto de partida para uma tal tarefa crítica. Em primeiro lugar, enquanto categoria, a tradição teve uma operacionalidade muito limitada nas sociedades que os “modernos” chamaram tradicionais. Pelo contrário, foi nas sociedades que se conceberam como modernas que o conceito se consolidou nos vários campos da vida social. Se a tradição, enquanto forma de existência residual do passado, deveria ser rejeitada, tornou-se fundamental dispor de “tradições” para dar coesão a uma sociedade em rápida transformação e para legitimar os poderes emergentes com a revolução industrial, o Estado-nação e a colonização. Para analisar este paradoxo, Eric Hobsbawm e Terence Ranger propuseram a noção de “tradições inventadas” (Hobsbawm e Ranger, 1983). A segunda observação a ter em conta na crítica do par tradição/progresso apresenta igualmente a forma de um paradoxo. Com efeito, o antitradicionalismo da ciência moderna, com a sua a crença no poder de uma razão desincorporada e de um método universal, enraíza-se, ele próprio, numa tradição historicamente identificada.


As Epistemologias do Sul superam a polaridade tradição/progresso em duas frentes. Uma delas consiste na crítica epistemológica, através da desmistificação da ciência moderna. Trata-se, não de a invalidar, mas de tomar consciência das condições históricas do seu surgimento e da sua expansão, e de combater a sua pretensão ao monopólio do saber, denunciada no conceito de epistemicídio levado a cabo pelo colonialismo. Neste sentido, as Epistemologias do Sul valorizam os saberes ecológicos subalternos dos povos colonizados. Esses saberes, associados a experiências incorporadas e, como tal, pouco codificados, estão mais próximos do costume – assente na tensão entre continuidade e inovação, e por isso relativamente flexível – do que das tradições, mais codificadas e mais rígidas.


A segunda frente de superação da polaridade tradição/progresso consiste na mobilização, epistemológica e política, de uma nova gramática do tempo. Àquela polaridade, essencializada e tomada como fundamento ontológico da modernidade, contrapõe-se a necessidade de analisar a experiência temporal concreta das sociedades e dos indivíduos. Assim, a sociedade moderna pensa-se a partir do equilíbrio entre raízes e opções, privilegiando a lógica das opções e atribuindo o predomínio da lógica das raízes às sociedades não modernas. Ao mesmo tempo, afirma procurar um equilíbrio entre raízes e opções. Ora, as Epistemologias do Sul observam que nas sociedades do Norte Global, predomina a lógica das opções, mesmo quando o seu conteúdo é a proclamação de uma raiz (Santos, 2006).


Neste sentido, é urgente pensar a reversibilidade entre raízes e opções, observada, por exemplo, na emergência de tradicionalismos e neotradições. É o caso dos integrismos e dos fundamentalismos, baseados no projeto de suprir uma “perda de referências” através da opção por uma tradição (mais ou menos inventada). Aqui, as raízes resultam de opções e as opções fundam raízes. Outra linha de investigação consistirá na análise do acesso desigual às raízes e às opções. Por exemplo, a destruição das ligações indígenas à terra, no contexto do neocolonialismo contemporâneo, intensifica as desigualdades no acesso às raízes; e na precariedade laboral intensificada pela globalização do liberalismo observa-se a desigualdade no acesso às opções. O facto de estas dinâmicas se reivindicarem de uma tradição de modernidade lembra-nos que a investigação sobre raízes e opções é inevitavelmente crítica.

 

Referências e sugestões adicionais de leitura:
Hobsbawm, Eric; Ranger, Terence, (eds.) (1983), The Invention of Tradition. Cambridge: Cambridge University Press.
Santos, Boaventura de Sousa (2006), A gramática do tempo. Para uma nova cultura política. Porto: Afrontamento.
Santos, Boaventura de Sousa (2014), Se Deus fosse um activista dos direitos humanos. Coimbra: Almedina.
Shils, Edward (1981), Tradition. Chicago: The University of Chicago Press.

 

Tiago Pires Marques é Investigador FCT no Centro de Estudos Sociais desde 2014. Doutorado em História, pelo Instituto Universitário Europeu de Florença, com a dissertação Crime and the Fascist State (Routledge, 2016). De entre as suas publicações recentes, destaca-se o livro Legitimidades da Loucura. Sofrimento, luta, criatividade e pertença (coord., 2018).

 

Como citar

Marques, Tiago Pires (2019), "Tradição", Dicionário Alice. Consultado a 27.01.20, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=1&entry=24675. ISBN: 978-989-8847-08-9