Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Destaque Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Destaque Semanal

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

 

 

Solidariedade

Tiago Miguel Knob
Publicado em 2019-04-01

Disseram-me, certa vez, que em cada sorriso de criança há um anjo. Que em cada ato de generosidade há um sim à vida. E que em cada ato de justiça há um não ao desprezo à humanidade: um não à indignidade da mulher e do homem, da velha, do jovem; à exploração da criança, da menina, do velho; ao assassinato do que há de mais humano no mundo: a liberdade. E esse não, potente como o sim, persistente, esperançoso, paciente, esgarça, não desiste, resiste, permanece, retira a ferros, abocanhando toda opressão e todo o mal até ao mais exasperado dos sentidos. E fala, e conversa, e grita até que a língua se desfaça e refaça segundo o instinto dos sons dos tambores líricos, humanos, divinos. E dança, e toca, e canta, e ri até que acordem os girassóis e façam cair a lua. E incendeia à noite a cidade com a música que faz acordar os homens, fortalecer as mulheres e embalar as crianças. E rega, e semeia, e faz chover até que as florestas ardam de flores os desertos de todos os tipos. E denuncia, faz, anuncia e anda até que o Anjo desça e suspenda na Terra a criança à paz.*


É um sentimento real a solidariedade. Verdadeiro, humano. É uma ação. Um caminhar movido por quem percebe na pele, na empatia, no mundo, um mundo que absolutamente não é o nosso, como mais ou menos disse Criolo. É a solidariedade como responsabilidade. Responsabilidade coletiva, comunitária, pela dignidade da vida humana. Cotidiana, local, global. Um ato movido pelo sentido que suporta, preserva, sustenta a persistência, a perseverança, a esperança, paciente, caminha de mãos dadas e não se curva, não mantém, indiferente, o que não faz sentido, não aceita, resiste, constrói. Não obedece, permanece vivo! Não controla, ampara, defende, ancora, enfrenta inclusive o tempo.


É o encontro das lutas, dos gritos, das fraturas, das brechas feitas em meio ao real que possibilitam a vida; dos saberes e de sua ecologia embrenhada nas realidades; das pedagogias, metodologias que possibilitam existências; dos conhecimentos que vão sendo construídos, partilhados, em meio às lutas por viver. São os encontros indignados das consciências das gentes que suportam nos ombros o peso da estupidez humana e podem, querem, buscam observar, nessa estupidez, os seus arquitetos, como se movem, o que fazem, como fazem e o que contam; como mentem e como matam e, dos cantos até então ocultos, castigados, em meio ao perverso, emergem, denunciam, anunciam e constroem.


É quando a solidariedade permite os encontros. E quando os encontros se convertem em força política, social, cultural, humana. E dessa força se constrói justiça material e a criança, sorridente, brinca, lê, come, joga e a mãe habita, e o pai se alegra. E o ser humano vive a sua cultura, reza o seu sagrado, decide sobre suas políticas, conhece, constrói, reconstrói a sua história, o seu espaço, a sua identidade. Há de haver persistência, humildade, cuidado. Num mundo ao contrário, tal qual o nosso, do desespero e da guerra, da fome, do capital e da miséria, da estupidez, do egoísmo e da indiferença, a solidariedade é a ação que dela depende, por tantas vezes, a vida, a possibilidade de viver bem, a possibilidade da construção de algo que nos faça sentido em um mundo sem sentido em muitos sentidos.


Há de ser encontrado o comum na essência dos atos, nos motivos dos sorrisos, nos sentidos das falas, nos porquês das palavras. Na simplicidade do sincero mesmo que se desenhe estranho, confuso, errado a alguém. Na confiança. Na inocência da criança, na rebeldia do jovem, no amor da mãe, na bênção da avó. Na esperança. No íntimo dos movimentos… Nos silêncios.... Na denúncia… Naquilo que move a ação… Experimenta, quem sabe, expressar, que é para a gente tentar encontrar, no íntimo das nossas ações, o elo que nos permita fortalecer em conjunto. É que como escreveu certa vez um amigo, a luta faz mais sentido quando nos olhamos nos olhos e podemos nos abraçar. E a gente, na cidade de São Miguel Arcanjo, interior de São Paulo, Brasil, a Cidade do Anjo, submersa numa das realidades mais perversas do nosso país, precisa desse abraço para poder seguir lutando com cada vez mais força.


Referências e sugestões adicionais de leitura:
* As frases em itálico do primeiro parágrafo são do livro Ultimato (Ed. Maldoror, Lisboa 2018) do poeta Diogo Vaz Pinto.
Observatório Popular Cidade do Anjo: www.opoca.org
Knob, Tiago Miguel (2018), A Vida Delas e Deles, a Nossa, na Cidade do Anjo: uma utopia crítica pós-colonial das gentes do cotidiano. Tese de doutoramento desenvolvida no Programa Pós-colonialismos e cidadania global do Centro de Estudos Socias da Universidade de Coimbra, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

 

Tiago Miguel Knob é membro do Conselho Executivo do Observatório Popular Cidade do Anjo. É Doutor pelo Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra no Programa Pós-colonialismos e cidadania global e Mestre em Pensamento Latino-americano pena Universidade de São Paulo (USP). Colabora com a Universidade Popular Empenho e Arte (UPEA) e é tutor na Universidade Sul Sul no curso internacional e especialização em Epistemologias do Sul organizados pela CLACSO e pelo CES.

 

Como citar

Knob, Tiago Miguel (2019), "Solidariedade", Dicionário Alice. Consultado a 15.08.20, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/?id=23838&pag=23918&id_lingua=1&entry=24554. ISBN: 978-989-8847-08-9