Mário Vitória (2015) Num cruzamento é sempre necessária uma passadeira [tinta da china e acrílico s/papel, 50x65cm]

Weekly Highlight

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

Weekly Highlight

Para entender el sentido que tiene la noción de “economía de la abundancia” es necesario aproximarnos primero al concepto de escasez y al lugar que ocupa en el pensamiento(...)
Jesús Sanz Abad

 

 

Advocacia Popular

Flávia Carlet
Publicado em 2019-04-01

A atuação de advogadas e advogados comprometidos em utilizar o sistema jurídico e judicial hegemônicos em favor das lutas e reivindicações de indivíduos e grupos socialmente excluídos é um fenômeno presente em diferentes contextos do Sul Global. Na América Latina, este gênero particular do exercício profissional da advocacia, orientado pela combinação entre o conhecimento técnico-profissional e o engajamento político, é conhecido como advocacia popular, advocacia militante ou advocacia ativista.

 

Entre 1970 e 1980, essa prática jurídica já se fazia presente em países como o Chile, Peru, República Dominicana, Colômbia, Equador, Brasil, Honduras, Porto Rico, Argentina, México, El Salvador, entre outros, exercida, sobretudo, por meio de redes, coletivos e organizações não-governamentais em defesa de sindicalistas, perseguidos políticos e trabalhadores rurais. Desde então, vem se consolidando no cenário político e jurídico em prol das diversas lutas sociais.

 

São inúmeros os exemplos atualmente em curso na região. Na Colômbia é conhecido o engajamento desta advocacia em favor das vítimas de violência estatal e de grupos paramilitares, a exemplo do trabalho da Corporación de Abogados José Alvear Restrepo; no México, a advocacia militante do Colectivo Emancipaciones está comprometida com o direito à livre determinação e autogoverno das comunidades purépechas de Michoacán; no Brasil, o Centro de Assessoria Jurídica Popular Mariana Criola e a Rede Nacional de Advogados e Advogadas Populares atuam há mais de duas décadas em favor de comunidades quilombolas e de movimentos sem-teto e sem-terra.

 

A advocacia popular, militante ou ativista mobiliza no seu cotidiano uma multiplicidade de práticas e saberes em prol dos direitos individuais e coletivos de camponeses, comunidades negras, indígenas, mulheres, grupos LGBTs, entre outros. A dimensão prática dessa assessoria envolve, de modo combinado, a incidência sobre os poderes executivo e legislativo; a litigância judicial; a educação jurídica popular; a articulação em redes; o monitoramento de políticas públicas e as denúncias de violação aos direitos humanos. Essas ações, por sua vez, encontram-se sustentadas por uma rica dimensão epistêmica do trabalho jurídico popular – como o saber técnico-jurídico, o saber vivencial, o saber pedagógico, o saber militante, o saber literário, o saber sociológico e o saber filosófico – resultado da trajetória pessoal e coletiva desses profissionais e da sua interação com as lutas populares.

 

Essa diversidade de práticas e saberes inspira os princípios de uma prática jurídica que orienta essas advogadas e advogados do Sul Global a atuarem com – e não para – aqueles que lutam contra a opressão e a dominação. Por um lado, uma relação mediada pelo contato contínuo, pela proximidade e pelo compromisso junto aos grupos que assessora, respeitando o protagonismo da luta popular em cada processo jurídico-político. Por outro, uma pedagogia de trabalho orientada por uma metodologia assente numa ecologia de práticas e saberes, em que os conhecimentos dos advogados e advogadas encontram-se com os conhecimentos e as práticas dos seus assessorados, numa partilha de concepções, experiências e expectativas, a fim de criar possibilidades concretas de solução aos problemas e aos desafios colocados.

 

Por ser solidária aos projetos e reivindicações sociais, assumindo uma responsabilidade ética, política e jurídica ao lado daqueles que se insurgem contra os ditames do colonialismo, do capitalismo e do heteropatriarcado, a advocacia popular trava uma autovigilância constante, questionando-se a si própria e o trabalho que realiza, a fim de não incorrer em posturas paternalistas e subalternizadoras que, a contrapelo de um diálogo de saberes, restam por atropelar lideranças e retirar o protagonismo dos grupos sociais em suas lutas.

 

Ao representar um modo diferenciado de conhecimento e ação, em que une conhecimento epistêmico e político, a advocacia popular, militante ou ativista, confronta a monocultura do saber jurídico, rompendo com a formação tradicional e hierárquica das profissões jurídicas, nomeadamente o modelo único de advocacia liberal ensinado nas Faculdades de Direito. Trata-se de uma prática jurídica de retaguarda, que não se autodefine apenas por sua expertise técnica, mas por sua condição militante e engajada aos projetos de transformação social. Deve ser concebida, assim, como uma advocacia emergente e insurgente do Sul Global, comprometida com o pensamento crítico e uma prática jurídica emancipatória.

 


Referências e sugestões adicionais de leitura:

Alfonsin, Jacques Távora (2013), Das legalidades injustas às (i)legalidades justas: estudos sobre direitos humanos, sua defesa pela assessoria jurídica popular em favor de vítimas do descumprimento da função social da propriedade. Porto Alegre: Armazém Digital, 09-32.

Aragón Andrade, Orlando (2018), “Traducción intercultural y ecología de saberes jurídicos en la experiencia de Cherán, México. Elementos para una nueva práctica crítica y militante del derecho”, in Maria Paula Meneses & Karina Bidaseca (Orgs.), Epistemologías del Sur. Buenos Aires: Clacso. Coimbra: CES, 367-384.

Santos, Boaventura de Sousa (2011), Para uma revolução democrática da justiça. São Paulo: Cortez.

 


Flávia Carlet é doutora em sociologia do direito pela Universidade Coimbra. As suas áreas de pesquisa incluem os estudos sobre advocacia popular, acesso à justiça, comunidades negras rurais e lutas por território.

 

Como citar

Carlet, Flávia (2019), "Advocacia Popular", Dicionário Alice. Consultado a 29.05.20, em https://alice.ces.uc.pt/dictionary/index.php?id=23838&pag=23918&entry=24428&id_lingua=2. ISBN: 978-989-8847-08-9